A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Amelinha Teles não ‘matou e esquartejou militares’

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
23.out.2018 | 22h11 |

Circula no Facebook a imagem da escritora e militante Maria Amélia de Almeida Teles, acompanhada de um texto sobre os atos que ela teria praticado durante a ditadura militar. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

 

“Essa senhora aparece na propaganda do Haddad chorando. Amelinha Teles, junto com seu marido, matou e esquartejou militares em nome da ditadura do proletariado”
Texto que acompanha imagem com mais de 73  mil compartilhamentos no Facebook às 20h do dia 23/10/2018. Imagens semelhantes foram postadas aqui, aquiaqui .

FALSO

Maria Amélia de Almeida Teles foi presa junto com seu marido e outro militante de oposição à ditadura militar em dezembro de 1972, em São Paulo. A prisão se deu porque Maria Amélia e os outros militantes seriam os responsáveis por gerir uma gráfica do PCdoB. Não há menção ou qualquer documento público que sustente algum assassinato cometido por ela – que realmente apareceu na propaganda eleitoral do candidato à Presidência da República Fernando Haddad (PT).  Até mesmo Carlos Alberto Brilhante Ustra, militar que torturou Maria Amélia, não menciona qualquer assassinato cometido por ela em seu livro de memórias.

Em março de 2013, Maria Amélia prestou depoimento à Comissão Nacional da Verdade, órgão do governo federal que funcionou entre 2011 e 2014 para “apurar graves violações de direitos humanos” entre 1946 e 1988. Nele, a militante e escritora afirmou ter sido vítima de variadas torturas, que envolveram choques elétricos e violências sexuais. Os crimes tiveram a participação de Ustra, coronel responsável pelo comando do antigo Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) de São Paulo entre 1970 e 1974. Ustra morreu em 2015.

Em dezembro de 2014 o Superior Tribunal de Justiça (STJ) considerou Ustra responsável pelas torturas sofridas por Maria Amélia, seu marido, César Augusto Teles, seus dois filhos, Edson Luiz e Janaína, e sua irmã, Criméia Alice Schmidt de Almeida dentro do DOI-Codi. Ustra foi reconhecido como torturador na primeira instância em 2008, pelo juiz Gustavo Santini Teodoro, da 23ª Vara Cível de São Paulo. A decisão foi confirmada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo em 2012. Não há, nessas decisões judiciais, qualquer menção a assassinatos cometidos por Maria Amélia.

A ação de danos morais foi ajuizada pela família Teles em 2005 e anexada ao relatório final da Comissão Nacional da Verdade. Não houve pedido de reparação financeira. Segundo a peça, Edson Luiz e Janaína ainda eram crianças e foram obrigados a assistir às sessões de tortura dos pais, Maria Amélia e César. Criméia, à época grávida de sete meses, chegou a ser torturada durante 36 horas seguidas.

Em 2006, Ustra lançou “A Verdade Sufocada”, livro de memórias no qual expôs suas lembranças sobre o regime militar. No trecho em que fala da família Teles e sobre o período em que comandou o DOI-Codi, não há qualquer menção a assassinatos cometidos por Maria Amélia. A justificativa para prisão era sua participação no comando de uma gráfica clandestina do PCdoB.

Teles apareceu em vídeo da campanha de Haddad, em vídeo que associa o candidato Jair Bolsonaro (PSL) à tortura. A propaganda foi suspensa por decisão do ministro Luís Felipe Salomão, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no último domingo  (20), por “ultrapassar os limites da razoabilidade e infringir a legislação eleitoral”.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

 

Editado por: Clara Becker e Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo