A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Com vídeo editado, Bolsonaro insiste que Barbosa o citou como ‘único deputado’ não comprado pelo PT no Mensalão

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
27.out.2018 | 18h00 |

Na tarde deste sábado (27), o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, publicou em seus perfis oficiais de Facebook e Twitter um vídeo do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa seguido da informação de que o magistrado teria dito que ele havia sido “o único” deputado que “não foi comprado pelo PT no esquema de corrupção conhecido como Mensalão”. A Lupa analisou a postagem e detectou que o vídeo foi editado e que a informação de Bolsonaro foi distorcida. Veja a checagem

“Já está na história que [Joaquim Barbosa] disse que só Bolsonaro não foi comprado pelo PT no esquema de corrupção conhecido como Mensalão”
Vídeo postado no perfil oficial de Jair Bolsonaro (PSL) e que, até às 17h30 do dia 27 de outubro de 2017, já tinha mais de 26 mil compartilhamentos no Facebook

EXAGERADO

O vídeo postado por Bolsonaro para referendar sua afirmação de que “só” ele não foi “comprado” pelo PT é do voto de Joaquim Barbosa no julgamento da Ação Penal 470 – aquela que tratou do escândalo do Mensalão. Mas a versão postada pelo presidenciável do PSL foi editada. Durante a campanha, a Lupa checou essa afirmação cinco vezes.

No trecho destacado, o então ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) indica que as reformas da Previdência e Tributária foram “os principais exemplos de votações do interesse do governo na Câmara dos Deputados” que envolveram pagamentos aos parlamentares. “De fato, essas reformas receberam o fundamental apoio dos parlamentares comprados pelo Partido dos Trabalhadores e das bancadas por eles orientadas ou dirigidas, exatamente no momento em que foram realizados os maiores repasses de dinheiro aos parlamentares acusados”, afirma Barbosa.

Ao fim dessa frase, há, no entanto, um corte que dificulta a compreensão do momento em que o nome de Jair Bolsonaro é mencionado por Joaquim Barbosa.

A Lupa esclarece: no voto proferido, Barbosa prossegue a argumentação sobre a compra de votos no Câmara e usa como exemplo a votação da Lei das Falências, em 2003.

De fato o ex-ministro menciona o nome de Bolsonaro, mas afirma que ele foi um dos – e não o único – deputado a votar contra a aprovação daquela lei.

Veja – na íntegra – como foi a fala de Barbosa naquele dia:

“Os relatórios dessa votação demonstram que vários parlamentares do Partido dos Trabalhadores também desobedeceram à orientação da liderança do Partido e do Governo e votaram contra a sub-emenda em referência. Por outro lado, os líderes dos quatro partidos  [PTB, PP, PL e PMDB] cujos principais parlamentares receberam recursos em espécie do Partido dos Trabalhadores orientaram suas bancadas a aprovar o projeto, que fora encaminhado pelo Governo. Somente o Sr. Jair Bolsonaro, do PTB, votou contra a aprovação da referida lei. Todos os demais votaram no sentido orientado pelo líder do Governo e do Partido dos Trabalhadores na Câmara dos Deputados.

Veja a comparação entre os dois discursos – o publicado por Bolsonaro e o original, publicado pelo próprio STF – no vídeo abaixo, editado pela equipe do Fato ou Fake:

Por fim, vale ressaltar que, neste sábado, Joaquim Barbosa declarou voto em Fernando Haddad (PT) em uma postagem no Twitter. Na mesma plataforma, o ex-ministro também comentou o fato de Jair Bolsonaro frequentemente mencionar esse episódio do julgamento do Mensalão:

Você também pode reler a transcrição do voto de Barbosa aqui. O trecho destacado está na página 15.   Ou assistir a seguir, entre os minutos 35:03 e 38:45

 

A Lupa procurou a assessoria de imprensa de Jair Bolsonaro, mas até o momento não teve retorno.

Neste sábado e domingo a equipe da Agência Lupa se uniu a outras cinco agências de checagens de notícias no Brasil para checar as mensagens de conteúdo suspeito nesta reta final das eleições. A ideia de juntar forças é para ganhar mais agilidade e aumentar o alcance das checagens. A parceria reúne o Fato ou Fake, Projeto Comprova, Lupa, Boatos.org, E-Farsas e Aos Fatos.

Editado por: Cristina Tardáguila, Natália Leal e Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo