A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Lula Marques / AGPT
Foto: Lula Marques / AGPT

Em pelo menos sete entrevistas, Moro negou que entraria para política

por Leandro Resende
01.nov.2018 | 15h38 |

Nesta quinta-feira (1/11), o juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato em Curitiba, aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para assumir o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública a partir de janeiro do ano que vem. Desde 2016, no entanto, o magistrado vem dizendo que não participaria da política. A Lupa levantou algumas dessas ocasiões:

“Fui convidado pelo senhor presidente eleito [Jair Bolsonaro] para ser nomeado ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite”
Nota divulgada pelo juiz federal Sergio Moro no dia 1 de novembro de 2018

CONTRADITÓRIO

Em pelo menos sete ocasiões, o juiz federal Sergio Moro disse que não entraria para a política. Na primeira entrevista que deu após a deflagração da Operação Lava Jato, em maio de 2016, afirmou que “jamais entraria para política”. Perguntado se seria candidato a um cargo eletivo ou se envolveria em política, foi taxativo:  “Jamais. Sou um homem de Justiça e, sem qualquer demérito, não sou um homem da política. Acho que a política é uma atividade importante, não tem nenhum demérito, muito pelo contrário, existe muito mérito em quem atua na política, mas eu sou um juiz, eu estou em outra realidade, outro tipo de trabalho, outro perfil. Então, não existe jamais esse risco”, declarou ao jornal O Estado de São Paulo.

Durante uma viagem a Washington, capital dos Estados Unidos, o juiz concedeu uma entrevista à BBC e voltou a negar interesse em se candidatar ou participar da vida política.  “A resposta é não, não tenho nenhuma pretensão de ir para uma carreira política. Meu trabalho é como magistrado, simples assim”, garantiu.

Em entrevista ao jornal chileno La Tercera, em setembro do ano passado, Moro foi perguntado sobre o fato de ter sido mencionado em pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, em 2018. À publicação, disse: “já declarei publicamente, mais de uma vez, que sou candidato só a prosseguir na carreira da magistratura. Não há nenhuma possibilidade de uma carreira política”.

Em outubro de 2017, à GloboNews, Moro afirmou “não ter vocação para política”. “Não existe nenhum empecilho normativo. Mas a minha opção de vocação é outra. Eu sou um juiz e pretendo permanecer como juiz”, disse.

Ao jornal O Globo, em dezembro do ano passado, perguntado sobre juízes que decidiram entrar para política, Moro disse que “sua escolha pessoal é permanecer como magistrado”.

Quando participou do programa Roda Viva, em março deste ano, disse que um juiz “não pode declarar preferências eleitorais”. “Vejo bons candidatos, outros nem tanto, e outros que mereçam um juízo maior de censura. As eleições, nós como brasileiros, não podemos entrar cabisbaixos e dizendo que não existem condições de eleger um bom candidato”, afirmou, ao fazer uma projeção sobre as eleições de 2018.

Ao analisar a Operação Lava Jato em entrevista à Bloomberg, em maio deste ano, Moro afirmou que a hipótese de uma candidatura sua seria uma “fantasia”.

Ministros são nomeados e exonerados pelo presidente da República, de acordo com a Constituição Federal.

A Lupa procurou a Justiça Federal do Paraná, mas não obteve retorno até a publicação desta checagem.

Editado por: Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo