A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que deputado alvo da Operação ‘Furna da Onça’ é do PT-RJ

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
22.nov.2018 | 14h56 |

Circula nas redes sociais uma imagem que traz a “informação” de que Luiz Martins, um dos deputados estaduais do Rio de Janeiro presos na Operação Furna da Onça, feita pelo Ministério Público Federal neste mês, seria filiado ao PT e teria mais de cem cargos no Detran. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esses dados fossem analisados. Confira a seguir o trabalho de verificação feito pela Lupa:

“Vocês conhecem Luiz Martins? Bom, esse lixo petista”
Trecho de texto que pode ser lido em imagem que até as 11h30 do dia 22 de novembro de 2018 já tinha sido compartilhada mais de 70,6 mil vezes no Facebook

FALSO

Luiz Martins é um dos 10 deputados estaduais do Rio de Janeiro que foram presos na Operação Furna da Onça, realizada pelo Ministério Público Federal para apurar a participação de parlamentares fluminenses em esquemas de corrupção, lavagem de dinheiro e recebimento de propina, envolvendo principalmente indicações políticas no Detran. Martins, no entanto, não é filiado ao PT, mas ao PDT. De acordo com o portal da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), o parlamentar era inclusive o líder do partido na casa.  

Segundo as acusações do Ministério Público Federal, Martins recebia uma “mesada” de R$ 80 mil oriundos do esquema de corrupção comandado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, para, por exemplo, votar pela aprovação das contas do governo estadual. O MPF também vê relação entre o pagamento do “mensalinho” e o voto do deputado pela soltura dos parlamentares que foram alvo da Operação Cadeia Velha, em novembro do ano passado.

A Lupa procurou a defesa de Martins, mas não obteve retorno até a publicação desta checagem.

Veja, a seguir, a lista dos deputados e dos partidos que foram alvos da Operação Furna da Onça. Todos estão presos.

André Correa (DEM)
Edson Albertassi (MDB)
Chiquinho da Mangueira (PSC)
Coronel Jairo (SD)
Jorge Picciani (MDB)
Luiz Martins (PDT)
Marcelo Simão (PP)
Marcos Abrahão (Avante)
Marcus Vinicius “Neskau” (PTB)
Paulo Melo (MDB)

“Sozinho [Luiz Martins] tinha 137 cargos comissionados no Detran”
Trecho de texto que pode ser lido em imagem que até as 11h30 do dia 22 de novembro de 2018 já tinha sido compartilhada mais de 70,6 mil vezes no Facebook

DE OLHO

Segundo a denúncia do MPF, os deputados presos na Operação Furna da Onça fizeram um loteamento de cargos nos postos do Detran-RJ como forma de compra de apoio político. As investigações indicam que a empresa Prol/Facility, contratada pelo Estado para contratação de mão-de-obra para os postos de atendimento do órgão, disponibilizava até cargos de diretoria para que fossem indicados pelos políticos.

De acordo com a investigação, só o deputado Luiz Martins (PDT) tinha 137 cargos indicados no Detran-RJ. Ao todo, o esquema teria se espalhado por pelo menos 20 municípios fluminenses. O caso foi denunciado, mas Luiz Martins ainda não foi condenado.

Dos alvos da Operação, o deputado Jorge Picciani (MDB), ex-presidente da Alerj, supostamente era o que tinha o maior número de indicações.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo