A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Governador foi conduzido à sede da PF no Rio para prestar depoimento (Foto: Reprodução)
Governador foi conduzido à sede da PF no Rio para prestar depoimento (Foto: Reprodução)

Em 2 anos, Lava Jato prendeu ao menos 15 membros do 1º escalão do governo do RJ

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
29.nov.2018 | 12h13 |

Desde novembro de 2016 – quando a Operação Calicute prendeu o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral -, até a manhã desta quinta-feira (28), com a prisão do atual ocupante do cargo, Luiz Fernando Pezão (MDB), as investigações da Lava Jato denunciaram ou prenderam ao menos 15 membros do alto escalão do governo fluminense.

Entre secretários e diretores de empresas públicas, de desvios na saúde à administração penitenciária, passando pelo Detran, são vários os envolvidos em esquemas de corrupção investigados pelo Ministério Público Federal (MPF) como desdobramentos da Operação Lava Jato.  A Lupa levantou alguns dos alvos das investigações dos últimos dois anos que tiveram cargos no Executivo fluminense.

Luiz Fernando Pezão
Atual governador do Rio de Janeiro, vice de Sérgio Cabral e secretário de Obras do RJ (2007 a 2014)

Preso na manhã desta quinta-feira na Operação Boca de Lobo, Pezão não só participou do esquema de corrupção organizado por seu antecessor, como “operou seu próprio esquema”, de acordo com o Ministério Público Federal (MPF). O órgão acusa o atual governador de ter recebido R$ 25 milhões em propina, pagos em espécie, de 2007 a 2015.

O governo do Rio de Janeiro não se pronunciou sobre a prisão. Em nota, a assessoria de comunicação afirmou que o vice-governador, Francisco Dornelles, assume a gestão do estado e “manterá todas as ações previstas no Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e dará prosseguimento aos trabalhos de transição de governo.”


Affonso Monnerat
Secretário de Governo na administração Pezão

Homem de confiança do atual governador do RJ, Monnerat foi um dos presos na Operação Furna da Onça, no começo de novembro. É acusado pelo MPF de ter participação no loteamento de cargos entre deputados fluminenses para o Detran-RJ. Também é alvo da operação desta quinta-feira.


José Iran Peixoto Júnior
Atual secretário de Obras do governo do RJ

Também foi alvo de pedido de prisão do MPF nesta quinta-feira (29), na Operação Boca de Lobo. Está no governo desde julho de 2014, quando Pezão já era o governador fluminense – ele assumiu o cargo em abril daquele ano, com a renúncia de Sérgio Cabral, que concorreria ao Senado naquela eleição.


Vinícius Silva Farah
Presidente do Detran-RJ de fevereiro de 2017 a abril deste ano

Eleito deputado federal em 2018, Farah é, segundo o MPF, responsável pela “manutenção de um esquema ilícito” no órgão. Foi um dos presos pela Operação Furna da Onça. Teria sido indicado para o cargo pelos deputados estaduais Jorge Picciani e Paulo Melo, ambos envolvidos no esquema.


Leonardo da Silva Jacob
Presidente do Detran-RJ de abril a novembro deste ano

Chefe de gabinete na gestão de Farah no Detran-RJ, assumiu a instituição na saída dele do órgão. Segundo o MPF, manteve o esquema irregular que já existia no departamento e contratou empresas sem licitação. Teve a prisão preventiva decretada na Operação Furna da Onça, no início de novembro.


Sérgio Cabral
Ex-governador do Rio de Janeiro (2007-2014)

Apontado como “líder da organização criminosa” responsável por um “amplo esquema de corrupção e lavagem de dinheiro” no estado do RJ, foi um dos presos da Operação Calicute, em novembro de 2016. Cabral já foi condenado a mais de 183 anos de prisão e é réu em 26 processos. Cumpre pena, atualmente, em Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro.


Wilson Carlos
Secretário de Governo durante a administração Cabral

De acordo com o Ministério Público Federal, era o responsável por “negociar, controlar e cobrar” o pagamento de propina. Condenado por diversos crimes, teve prisão decretada na Operação Calicute e ainda está detido.


Hudson Braga
Secretário de Obras durante a administração Cabral

Foi preso na Operação Calicute, em novembro de 2016, e já foi condenado por crimes como corrupção e lavagem de dinheiro.  Por decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, acabou solto em maio deste ano.


Heitor Lopes de Sousa Júnior
Ex-diretor da Companhia de Transportes sobre Trilhos do Estado do Rio de Janeiro (RioTrilhos)

Foi preso em março de 2017, como um dos alvos da Operação Tolypeutes. Ele é acusado de receber propinas em obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro.


Luiz Carlos Velloso
Subsecretário de Transportes durante a gestão Cabral

Outro preso da Operação Tolypeutes, em março do ano passado. Velloso chegou a admitir ter recebido dinheiro de propina para as obras da Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro em pelo menos quatro ocasiões. Os valores chegariam a R$ 100 mil. Cumpre prisão domiciliar.


Sérgio Côrtes
Secretário de Saúde durante a gestão Cabral

Principal alvo da Operação Fatura Exposta, foi preso em abril de 2017, acusado de fraudar contratos da pasta ao direcionar licitações. O esquema teria envolvido propinas de mais de R$ 16,2 milhões, de 2007 a 2014. Também foi denunciado por atrapalhar a investigação do caso. Em entrevista à revista Veja em junho deste ano, admitiu ter sido corrupto.

Côrtes foi solto em fevereiro deste ano, mas voltou à prisão em agosto – e segue detido. De acordo com o MPF, a investigação do esquema revelou que contratos com Organizações Sociais também foram fraudados e envolveram o pagamento de propinas  Ao todo, o ex-secretário é investigado em seis denúncias.


Rogério Onofre
Ex-presidente do Departamento de Transportes Rodoviários do Rio de Janeiro (Detro)

De acordo com as investigações da Operação Ponto Final, Onofre teria recebido mais de R$ 44 milhões em propina de empresas de ônibus. Foi solto em setembro deste ano.


Régis Fichtner
Ex-secretário da Casa Civil na gestão Cabral

Um dos alvos da Operação C’est Fini, deflagrada em novembro de 2017. Segundo o MPF, Fichtner recebeu propina de R$ 1,56 milhão de 2007 a 2014. Acusado de corrupção passiva, ele foi solto uma semana depois da prisão.


Henrique Ribeiro
Ex-presidente da Fundação Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Rio de Janeiro (Funderj)

Também alvo da Operação C’Est Fini, em novembro do ano passado. Ribeiro gerenciou o pagamento de R$ 18,1 milhões em propinas para a organização criminosa comandada por Sérgio Cabral usando a Funderj, de acordo com o MPF.


César Rubens
Secretário de administração penitenciária nas gestões Cabral e Pezão (2008 a 2015)

Preso em março de 2018 por liderar um esquema de fraudes em contratos para fornecimento de alimentação para presidiários do estado. O desvio teria chegado a R$ 73 milhões, segundo o MPF. Também foi investigado por enriquecimento ilícito. Rubens é coronel da Polícia Militar e foi solto em julho deste ano.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo