A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Bolsonaro associa ‘Triplo A’ ao Acordo de Paris e erra ao justificar não realização da COP 25 no Brasil

por Chico Marés
04.dez.2018 | 14h32 |

Na última quarta-feira (28), o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) falou sobre a decisão do governo brasileiro de cancelar a realização da próxima Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 25, no Brasil. O evento estava previsto para ocorrer em 2019.

Segundo o governo brasileiro, a decisão de não realizar a conferência em território nacional foi tomada por “restrições fiscais e orçamentárias”, mas Bolsonaro, que disse ter influenciado na escolha, também elencou o “compromisso” do Brasil com o chamado “Corredor Triplo A” no Acordo de Paris para a não realização do evento.

O “corredor triplo A” (o nome se refere aos Andes, à Amazonia e ao Atlântico), no entanto, jamais entrou na lista de medidas ligadas ao Acordo de Paris. Trata-se de um projeto de uma ONG que chegou a ser defendida publicamente pelo ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos, mas que nunca foi oficialmente encampada pelo governo brasileiro. Veja o detalhamento na checagem da Lupa:

“Está em jogo o ‘Triplo A’ nesse acordo [o Acordo de Paris]…”
Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil, em entrevista coletiva concedida no dia 28 de novembro de 2018

FALSO

O Triplo A não está no acordo de Paris nem tem qualquer relação com a COP 25. O projeto que prevê a criação de um corredor ecológico internacional na Amazônia nunca foi defendido oficialmente pelo governo brasileiro nem faz parte dos compromissos assumidos pelo país em negociações internacionais sobre o clima.

O compromisso do Brasil no Acordo de Paris é a chamada Contribuição Nacionalmente Determinada (CND), documento que sequer menciona a criação deste corredor ecológico. Oficialmente, a meta específica do Brasil é reduzir as emissões de gases de efeito estufa para 37% abaixo do nível 2005 até o ano de 2025, e avançar para 43% abaixo até 2030.

A única citação da Amazônia no acordo é o compromisso de zerar o desmatamento ilegal no bioma até o ano de 2030. Essa ação está listada como uma “medida adicional”, que inclui também o aumento da participação da bioenergia sustentável entre as matrizes energéticas, o fortalecimento do Plano de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono e a promoção de novos padrões de tecnologias limpas, por exemplo.

Não é a primeira vez que Bolsonaro se refere ao “Triplo A” como sendo parte do Acordo de Paris. Em discurso feito no dia 22 de julho, quando foi oficializado como candidato à Presidência da República, fez declaração semelhante – e ela foi checada pela Lupa.

A Lupa contatou o Ministério do Meio Ambiente, que, por e-mail, confirmou que a criação do corredor Triplo A não está listada em nenhuma das agendas da COP 25 e que não há referência a sua criação no Acordo de Paris.


“… O que é o ‘Triplo A’? É uma grande faixa que pega dos Andes, Amazônia e Atlântico, 136 milhões de hectares, ali, então, ao longo da calha dos rios Solimões e Amazonas”
Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil, em entrevista coletiva concedida no dia 28 de novembro de 2018

VERDADEIRO, MAS

O Corredor Triplo A é um projeto da ONG Gaia Amazonas, braço da instituição britânica Gaia Foundation, sediada na Colômbia. A ideia é criar um corredor de áreas protegidas que vai dos Andes colombianos à costa do Atlântico, no estado do Amapá.

Há diferentes versões desse projeto, que podem incluir territórios de até oito países, mas o que ganhou mais notoriedade é uma versão de 136 milhões de hectares que inclui partes do Brasil, da Colômbia e da Venezuela. Na parte brasileira, grande parte desses territórios já é composta por áreas de proteção permanente ou por territórios indígenas. Entretanto, isso nunca chegou a ser sequer debatido formalmente pelo governo do Brasil logo, não está na pauta de compromissos assumidos pelo país com qualquer instituição internacional.

Em 2015, o então presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, anunciou que proporia a criação desse corredor aos governos brasileiro e venezuelano. Porém, essa proposta jamais foi formalizada. Santos deixou a presidência da Colômbia, após dois mandatos, em agosto deste ano.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo