A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que 180 perderão emprego com mudanças no Coaf

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
11.dez.2018 | 14h55 |

Circula nas redes sociais a “informação” de que 180 “petistas” perderiam emprego no Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com a transferência do órgão para o Ministério da Justiça, mudança anunciada pelo governo de Jair Bolsonaro. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Vão ser demitidos 180 petistas [no Coaf]”
Imagem publicada no Facebook e que já tinha tido mais de 10 mil compartilhamentos até as 19h40 do dia 10 de dezembro de 2018

FALSO

Em novembro, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), anunciou que vai transferir o Coaf, órgão hoje subordinado ao Ministério da Fazenda, para o Ministério da Justiça, que será chefiado pelo juiz federal Sérgio Moro. Mas isso não significa que 180 pessoas perderão o emprego no órgão, independentemente de serem petistas ou não.

Dados oficiais mostram que o Coaf tem apenas 37 funcionários e que, desse total, 27 são servidores públicos concursados ou seja, não podem ser demitidos por razões exclusivamente políticas.

Ao contrário do que ocorre em outros órgãos federais, o Coaf não tem um quadro próprio de servidores. Das 37 pessoas que trabalham na entidade, 13 são servidores de carreira do Ministério da Fazenda e outros 14 são cedidos por outros ministérios e órgãos públicos. Outros 10 estão em cargos de livre nomeação e não têm vínculo funcional com o poder público.

Além disso, desses 37, 19 recebem remuneração inferior a R$ 16 mil, incluindo todos os 10 comissionados. Os dados foram fornecidos à Lupa pelo Ministério da Fazenda.

O Coaf foi criado em 1998, com a finalidade de atuar na prevenção e combate à lavagem de dinheiro. O presidente do conselho é nomeado pelo presidente da República, e outros 11 conselheiros representam 11 instituições públicas federais. Esses conselheiros não são remunerados.

Nos últimos dias, o Coaf revelou transações suspeitas envolvendo ex-assessores do deputado Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). Relatório produzido pela instituição no âmbito da Operação Furna da Onça mostrou que o ex-motorista do deputado, Fabrício José Carlos de Queiroz, movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. O Coaf também participou de investigações como o mensalão e a Operação Lava Jato.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo