A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Bruce Willis não defendeu Trump publicamente nem sugeriu migração para o Canadá

Fundadora | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
14.dez.2018 | 19h17 |

Circula nas redes sociais foto do ator Bruce Willis usando um boné com os dizeres “Make America Great Again”, slogan do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A imagem é acompanhada por um texto, supostamente jornalístico, que informa que Willis declarou que Trump poderia ser “o melhor presidente de todos os tempos” e que quem não gostava dele poderia “ir para o Canadá”. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que o material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Se você não gosta dele [Trump], vá para o Canadá ou algo assim”
Frase atribuída ao ator Bruce Willis e que acompanha imagem que, até as 17h40 do dia 14 de dezembro de 2018, já havia sido compartilhada mais de 40 vezes no Facebook

FALSO

A foto analisada pela Lupa – em que Bruce Willis aparece usando um boné com o slogan da campanha de Donald Trump – é verdadeira. Mas a frase que acompanha o post e que “informa” que o ator americano sugeriu que os descontentes com o governo do presidente republicano deveriam migrar para o Canadá ou se mudar para outro país qualquer é falsa.

Segundo a postagem, Willis teria defendido Trump numa entrevista concedida ao humorista Jimmy Fallon. O astro de “Duro de Matar” e “O Sexto Sentido” esteve no programa Tonight Show, de Jimmy Fallon, em duas ocasiões, e em nenhuma delas ele elogiou Donald Trump.

Em outubro de 2015, um ano antes de Trump ser eleito, Willis foi ao programa usando uma peruca. O principal “assunto” da entrevista foi seu “cabelo”. Na ocasião, o ator afirmou jocosamente que sempre tinha tido um cabelo volumoso, mas que optava por raspá-lo sempre que tinha um filme para gravar.

Nessa entrevista, após o âncora dizer que o cabelo dele estava o “distraindo” a atenção, Bruce pegou um boné com o slogan “Make American Great Again” e colocou na cabeça. Ele, no entanto, não fez qualquer referência, positiva ou negativa, ao então pré-candidato a presidente dos Estados Unidos. Muito provavelmente, tratava-se de uma piada com os cabelos de Trump. É possível ver a entrevista completa aqui, em vídeos de um minuto.

Em 2018, Willis voltou a ser entrevistado por Fallon – dessa vez, sem cabelo. Novamente, a conversa não chegou a Trump. Willis falou sobre seu filme mais recente, o remake de “Desejo de Matar”; sobre os 30 anos de “Duro de Matar” e obviamente foi alvo de uma série de piadas do entrevistador.

Apesar de nunca ter manifestado apoio público a Trump e de se declarar “apolítico”, em 2000, Willis participou da Convenção do Partido Republicano, que indicou George W. Bush como candidato à presidência. Em 2006, declarou que defendia pautas como a do estado mínimo, mas destacou que não era republicano. E, em 2017, em entrevista ao The O’Reilly Factor, afirmou que defende “ideias conservadoras e liberais (no sentido americano)” simultaneamente.

Checagens semelhantes foram publicadas pelos sites Snopes, Politifact e Buzzfeed.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila e Clara Becker

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo