A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Bolsonaro indicou Carlos Marun para cargo em Itaipu

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
01.mar.2019 | 13h03 |

Circula nas redes sociais uma imagem em que se vê uma foto do ex-deputado e ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo de Michel Temer (MDB), Carlos Marun (MDB), acompanhada de uma legenda que “informa” que ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para ocupar um cargo na usina hidrelétrica Itaipu Binacional. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Bolsonaro indica Marun (…) para diretoria de Itaipu”
Trecho da legenda da imagem que, até as 11h do dia 1º de março de 2019, tinha sido compartilhada mais de 3,2 mil vezes no Facebook

FALSO

Foi o ex-presidente Temer – e não Jair Bolsonaro – quem indicou Carlos Marun para o posto de membro do conselho de Itaipu Binacional. A exoneração e nomeação do ex-ministro para o cargo saíram no Diário Oficial da União no dia 31 de dezembro de 2018, último dia do governo do ex-presidente. De acordo com a publicação, Marun exercerá o mandato de conselheiro da hidrelétrica até 16 de maio de 2020.

Em 27 de dezembro, pouco antes de começar o novo governo, um documento assinado pelo então futuro ministro da Casa Civil de Bolsonaro, Onyx Lorenzoni, pedia a cada ministério que fizesse a revisão dos atos dos últimos 60 dias do governo Temer. No dia 2 de janeiro, Lorenzoni afirmou que Bolsonaro tinha refletido sobre a nomeação de Marun e decidido respeitar a decisão de Temer.

Em entrevista coletiva concedida após a cerimônia de posse do general Joaquim Silva e Luna como diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, em 26 de fevereiro, Bolsonaro mostrou-se confuso ao ser perguntado sobre a permanência de Marun no conselho da hidrelétrica. “O Marun não foi… está mantido?”, disse. Depois, confirmou que o ex-ministro continuaria no cargo. “Está mantido, no conselho. Foi indicação do presidente Temer e o compromisso nosso é daqui para frente.”


“(…) acusado de desvio de 16 milhões (…)”

Segundo trecho da legenda da imagem que, até as 11h do dia 1º de março de 2019, tinha sido compartilhada mais de 3,2 mil vezes no Facebook.

VERDADEIRO

Marun é de fato réu, junto com outros 13 acusados, em uma ação civil de improbidade administrativa que apura o desvio de R$ 16,6 milhões. Ele era presidente da Agência de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab) quando, segundo o Ministério Público Estadual, o órgão agiu de má fé ao não preencher cargos por concurso e privilegiar a terceirizada Dighito com contratos superfaturados.

O processo corre na 1ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, em Campo Grande (MS), e foi aberto em 11 de julho de 2013. Segundo o site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, desde o dia 18 de fevereiro de 2019 está em fase final, aguardando a decisão do juiz responsável. Marun disse ser inocente e ter certeza de sua absolvição.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila e Nathália Afonso

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo