A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Erros e acertos da bancada do DF no primeiro mês de trabalho na Câmara

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
07.mar.2019 | 07h00 |

O monitoramento da qualidade do discurso dos congressistas pode indicar se eles estão cumprindo as promessas de campanha e se estão utilizando dados corretos ao defender posições públicas e projetos de lei. No último mês, a Lupa acompanhou de perto a bancada do Distrito Federal na Câmara dos Deputados e analisou 92 discursos feitos por oito políticos no plenário da Casa. A deputada Paula Belmonte (PPS) não falou frases passíveis de verificação e, por essa razão, não consta no levantamento. Veja a seguir o resultado da avaliação de frases dos demais sete deputados:

“Todos os servidores públicos federais que adentraram o serviço público a partir de 2003 já têm como teto para as suas aposentadorias o mesmo teto estabelecido para a iniciativa privada, para os celetistas”
Erika Kokay (PT), deputada federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 13 de fevereiro de 2019

FALSO

A regra que aplica o teto da Previdência às aposentadorias de servidores federais, a Lei 12.618/2012, vale para quem tenha ingressado no serviço público “a partir do início da vigência do regime de Previdência complementar”. A Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal (Funpresp) foi criada em setembro de 2012 e oficialmente entrou em funcionamento no dia 4 de fevereiro de 2013, quando seu regulamento foi aprovado. Logo, a aplicação do teto vale, para funcionários que ingressaram em carreiras da União depois de 4 de fevereiro de 2013, e não de 2003.

Pela nova regra, servidores que ganham mais do que o teto da Previdência e pretendem se aposentar com valores que superam o teto podem contribuir para a Funpresp. Quem não fizer essa contribuição, se aposentará com, no máximo, o teto do INSS – hoje fixado em R$ 5.829,45.

Procurada para comentar esta checagem, a deputada afirmou que participou dessa matéria como deputado e sabe que a mudança aconteceu em 2013.


“O decreto [9.690/2019] apenas limitou a possibilidade que já existia na lei [sobre quem poderia ou não decretar sigilo a uma informação]”
Bia Kicis (PSL), deputada federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 19 de fevereiro de 2019

FALSO

O decreto 9.690/2019 não visava estabelecer limites de quem poderia ou não decretar sigilo sobre uma determinada informação. Na verdade, buscava o oposto: ampliar os limites já estabelecidos em decreto anterior – ainda que dentro das possibilidades previstas na Lei de Acesso à Informação (LAI).

O decreto 7.724/2012 fixou que as prerrogativas para decretar sigilo nos graus ultrassecreto e secreto não poderiam ser delegadas. Ou seja, apenas presidente, vice-presidente, ministros, embaixadores e comandantes das Forças Armadas, no caso do grau ultrassecreto, e também titulares de autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista, no caso do grau secreto, poderiam fazê-lo.

Em 23 de janeiro, no entanto, o então presidente em exercício General Hamilton Mourão publicou o decreto 9.690/2019. Ele buscava permitir que essas prerrogativas fossem delegadas para comissionados de alto escalão – DAS 101.6, para o grau ultrassecreto, e DAS 101.5  ou superior, para o grau secreto. Ou seja, os limites para a classificação de documentos sigilosos seriam ampliados. A LAI permite a delegação.

Em 26 de fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro publicou decreto que revogou essas mudanças e manteve as delegações proibidas.

Por WhatsApp (ver aqui e aqui), a deputada respondeu que não se referia ao decreto 7.724/2012, mas apenas a LAI. “O fato é que o decreto suspenso pelo Congresso impunha limite à autorização legal, enquanto o decreto de 2012 que foi repristinado traz uma vedação que extrapola os termos da lei”, disse.


“Durante os primeiros dias de trabalho, eu já protocolei 25 projetos de lei”
Luis Miranda (DEM), deputado federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 7 de fevereiro de 2019

EXAGERADO

Até o dia 07 de fevereiro, quando fez este discurso, o deputado Luis Miranda havia protocolado oito projetos de lei – não 25 como afirmou em sessão na Câmara. Além dos PLs, o congressista também tinha apresentado outras oito propostas legislativas, como requerimentos e projetos de resolução. Ele não apresentou projetos de lei entre os dias 7 de fevereiro e 1 de março.

Entre as proposições apresentadas, está, por exemplo, o PL 33/2019, que visa a institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral no Brasil. Outra proposta do deputado pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro, permitindo que jovens de 16 anos possam dirigir caso estejam acompanhados de pais ou responsável legal.

Atualizado às 21h do dia 7 de março de 2019: Procurado para comentar esta checagem, o deputado informou que pretende protocolar mais de 25 projetos de lei neste mandato. Segundo o congressista, houve um erro de semântica em sua fala na Câmara.


“Dos nossos estudantes, 40,8% não concluem o ensino médio na idade correta”
Professor Israel Batista (PV), deputado federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 14 de fevereiro de 2019

VERDADEIRO

Levantamento divulgado em dezembro pela ONG Todos Pela Educação mostra que, em 2018, 40,8% dos estudantes não concluíram o Ensino Médio com 19 anos – idade considerada adequada para que o aluno encerre essa etapa do ensino. Além disso, segundo a entidade, 24,1% das crianças não concluem o ensino fundamental.


“Aqui em Brasília, na Capital do País — pasmem! —, só em 2018, foram registrados 14.985 casos de violência contra as mulheres”
Flávia Arruda (PR), deputada federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 25 de fevereiro de 2019

VERDADEIRO

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, 14.985 ocorrências de violência doméstica foram registradas em 2018. Ainda houve 673 casos de violência sexual e 28 feminicídios consumados.


“O Ministério do Esporte (…) já não existe mais – agregou-se a outro Ministério”
Julio Cesar Ribeiro (PRB), deputado federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 07 de fevereiro de 2019

VERDADEIRO, MAS

No dia 2 de janeiro, o ministro Osmar Terra assumiu como líder do Ministério da Cidadania, que engloba os ex-ministérios do Esporte, da Cultura e do Desenvolvimento Social. Atualmente, o antigo Ministério do Esporte tem status de Secretaria Especial do Esporte.  Em novembro de 2018, antes de Bolsonaro assumir como presidente, ele já havia sinalizado a possibilidade do Ministério do Esporte fundir com uma outra pasta.


“São R$ 112,22 bilhões por ano [na educação]”
Celina Leão (PP), deputada federal pelo Distrito Federal, em sessão na Câmara no dia 14 de fevereiro de 2019

VERDADEIRO

Segundo o portal Siga Brasil, do Senado Federal, o governo federal gastou R$ 112,2 bilhões com a função Educação em 2018, em valores empenhados.

Editado por: Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo