A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Marcos Brandão, Agência Senado
Foto: Marcos Brandão, Agência Senado

Senado, previdência, turismo e homofobia: erros e acertos de Alcolumbre e Maia

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.mar.2019 | 07h00 |

Na última semana, os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara, Rodrigo Maia, concederam entrevistas e falaram sobre suas atuações no Congresso. Eleito pela primeira vez ao cargo, Alcolumbre participou do Roda Viva, onde criticou antecessores. Maia, por sua vez, foi o entrevistado do Em foco com Andréia Sadi e também falou à BandNews.  A Lupa acompanhou o que eles disseram e checou a veracidade de algumas frases. Veja o resultado:

“É a primeira vez que um senador de primeiro mandato é eleito presidente [do Senado]”
Davi Alcolumbre, presidente do Senado Federal, em entrevista ao programa Roda Viva no dia 18 de março

FALSO

O antecessor de Davi Alcolumbre na presidência do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), também estava em seu primeiro mandato quando foi eleito presidente do Senado. Eunício se elegeu senador em 2010, com mandato até fevereiro de 2019. A única diferença é que Davi assumiu a presidência no seu quinto ano de mandato, e Eunício no sétimo.

Nos últimos 20 anos, outros dois senadores foram eleitos para presidir a Casa em seu primeiro mandato: Ramez Tebet (MDB-MS, entre 2001 e 2003) e Jader Barbalho (MDB-PA, em 2001).

Procurado, Alcolumbre não se manifestou.


“Nunca um presidente do Senado visitou [o Ministério da Defesa]”
Davi Alcolumbre, presidente do Senado Federal, em entrevista ao programa Roda Viva no dia 18 de março

FALSO

Em 5 de setembro de 2018, o então ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, recebeu o senador Eunício de Oliveira (MDB-CE), então presidente do Senado, no Ministério da Defesa. Assim, Alcolumbre não foi o único presidente da Casa a visitar o titular da pasta, como afirmou no Roda Viva.

Procurado, Alcolumbre não se manifestou.


“O Senado tem devolvido, ao longo dos últimos anos, recursos para o Tesouro, uma média de R$ 200 milhões a R$ 250 milhões nos últimos cinco anos”
Davi Alcolumbre, presidente do Senado Federal, em entrevista ao programa Roda Viva no dia 18 de março

VERDADEIRO

Nos últimos cinco anos, o Senado devolveu uma média de R$ 229,3 milhões ao Tesouro Nacional. Esses valores dizem respeito ao dinheiro reservado ao funcionamento da Casa no orçamento, mas que não chega a ser utilizado.

Em 2013, o montante alcançou R$ 300,5 milhões. Em 2016, o ano com a menor poupança dos últimos cinco, foram devolvidos R$ 94,7 milhões. As informações foram extraídas do Siga Brasil pela assessoria de imprensa do Senado.


“Nós temos 7 milhões de habitantes no campo (…) e 9 milhões de aposentados [rurais]”
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, em entrevista à BandNews, no dia 20 de março de 2019

FALSO

Segundo o Censo de 2010, o número de habitantes na zona rural brasileira é de 29,8 milhões. Esse é o dado mais recente, e representa 15,6% da população total verificada pelo IBGE à época, de 190,8 milhões de habitantes. A população do campo se encontra em queda, em números absolutos, desde 1970, quando o total de pessoas vivendo em zonas rurais era de 41,6 milhões (44% do total da época, 94,5 milhões).

Já o número de aposentadorias rurais emitidas era de 6,976 milhões, segundo o Boletim Estatístico da Previdência Social de janeiro de 2019. O total de beneficiários da previdência, que inclui pensionistas por morte e pessoas que recebem auxílios como o auxílio-doença e o auxílio-reclusão, atinge o patamar citado por Maia: 9,501 milhões.

Procurado, Maia não retornou.


“[Rio de Janeiro] Sempre foi a porta de entrada do turismo [no país]”
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, em entrevista à BandNews, no dia 20 de março de 2019

FALSO

Segundo dados do Ministério do Turismo, desde 1995, a principal porta de entrada de turistas estrangeiros no Brasil é o estado de São Paulo. Em 2017, último ano com informações disponíveis, 2,144 milhões chegaram ao país por SP, enquanto 1,355 milhões chegaram pelo Rio de Janeiro. Também são portas de entrada relevantes no país o Rio Grande do Sul (1,270 milhões) e o Paraná (896 mil). Ao todo, 6,588 milhões de turistas desembarcaram no país naquele ano.

Segundo o ministério, entre 1989, data mais antiga disponível, e 1992, o RJ foi o principal ponto de entrada de turistas no país. Nos anos de 1993 e 1994, a entrada de turistas foi maior pelo Rio Grande do Sul. Vale pontuar que a porta de entrada não é, necessariamente, o destino final.

Procurado, Maia não retornou.


“Aprovamos a criminalização da homofobia na Câmara, e o Senado rejeitou”
Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, em entrevista ao programa Em foco com Andréia Sadi no dia 20 de março de 2019

VERDADEIRO

Em 2001, começou a tramitar na Câmara dos Deputados um projeto de lei que visava “definir os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero”, criminalizando a homofobia e outros crimes relacionados à gênero. O texto, de autoria da deputada federal Iara Bernardi (PT-SP), ficou cinco anos na Câmara e foi aprovado e encaminhado para o Senado Federal em dezembro de 2006. No Senado, o projeto tramitou por 11 anos e foi arquivado em 2017.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo