A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que governo Bolsonaro concluiu asfaltamento da BR-319 entre Manaus e Porto Velho

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
28.mar.2019 | 16h03 |

Uma montagem com duas fotos que circula nas redes sociais mostra o que seria o antes e depois da Rodovia Álvaro Maia (BR-319), na Amazônia. Segundo a publicação, em três meses, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) terminou o asfaltamento da rodovia, o que não ocorreu em “16 anos” do PT no poder. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“BR-319 Manaus/Porto Velho: 3 meses de governo [estrada asfaltada]. PT: 16 anos no poder [caminhões atolados na rodovia]”

Legenda de montagem que, até as 13h do dia 28 de março de 2019, tinha sido compartilhada mais de 16 mil vezes no Facebook.

FALSO

O governo atual não terminou de asfaltar toda a BR-319, que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO). A pavimentação de cerca de 400 quilômetros da rodovia entre as duas cidades, o chamado “trecho do meio”, ainda espera pelo licenciamento ambiental e pela elaboração do projeto. Há asfalto apenas nas áreas próximas às duas cidades. Além disso, a rodovia não está entre as estradas que terão prioridade de investimentos da União.

Em 29 de janeiro, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, apresentou um plano de investimentos de mais de R$ 100 bilhões em rodovias federais nos próximos quatro anos. O asfaltamento da BR-319 não faz parte desse pacote de obras. O ministro reuniu-se em 5 de fevereiro com governadores e parlamentares da bancada do Amazonas, de Rondônia e de Roraima e disse que estavam reservados R$ 100 milhões no Orçamento de 2019 para iniciar o licenciamento ambiental e a elaboração do projeto de asfaltamento dos trechos ainda de terra da estrada. A promessa, no entanto, foi de que o trabalho estará concluído em 2020. “A BR-319 é para além deste governo”, disse Freitas.

No dia 27 de março, entidades que defendem a pavimentação da BR-319, lideradas pela Associação dos Amigos e Defensores da BR-319, fizeram um protesto para pressionar por uma solução para a rodovia, que segue sem asfaltamento em sua maior parte. Eles levaram um bolo de lama até o quilômetro zero. O grupo programou outro ato para o dia 5 de abril. A estrada era completamente asfaltada na sua inauguração, há 43 anos, mas acabou abandonada e perdeu a maior parte dessa cobertura.

A foto da montagem que mostra um atoleiro é antiga e não há confirmação de que seja da rodovia. A primeira publicação exibida pelo serviço de busca TinEye tem data de 23 de abril de 2008, e o registro aparece em um fotolog que não menciona o nome da estrada. De acordo com o Google Imagens, a mesma foto aparece em uma apresentação de slides sobre o Mato Grosso, feita no serviço SlideShare, em 7 de maio de 2008. Nos anos posteriores a foto foi associada a duas outras estradas federais: a BR-163, que atravessa o Mato Grosso e outros estados; e a BR-230, a rodovia Transamazônica.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo