A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Marina Silva entrou na Justiça para garantir a instalação de 8 mil radares

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
17.abr.2019 | 18h45 |

Circula pelas redes sociais uma imagem que “informa” que a ex-candidata à Presidência Marina Silva (Rede) entrou na Justiça para garantir a instalação de 8 mil radares em rodovias federais. A compra dos equipamentos teria sido cancelada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL), mas uma liminar obtida por Marina “obrigou” o governo federal a fazer a aquisição. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Marina Silva entra na Justiça para que 8 mil radares sejam colocados nas estradas”
Trecho de post que, até as 17 horas do dia 17 de abril, tinha sido compartilhado mais de 560 vezes no Facebook

FALSO

O responsável pela ação popular que impediu o governo federal de retirar radares de velocidade das estradas foi o senador Fabiano Contarato (Rede-ES). Embora ele pertença ao mesmo partido de Marina Silva, a ex-candidata não aparece entre os autores do pedido, que teve decisão favorável da juíza substituta Diana Wanderlei, da 5ª Vara da Justiça Federal de Brasília, em 10 de abril de 2019.

No início do mês, Bolsonaro determinou que a instalação de novos equipamentos fosse suspensa até que o Ministério da Infraestrutura revisasse critérios técnicos para a definição dos locais. Disse também que os contratos que terminassem com as operadoras dos radares não seriam renovados.

Na decisão cautelar, a juíza determinou que o governo federal renove por mais 60 dias os contratos com concessionárias que estejam próximos de terminar. Também decidiu que nenhum radar seja retirado ou desligado das rodovias federais e informou que analisará os casos em que equipamentos já foram removidos. Se o governo descumprir a decisão, terá de pagar multa de R$ 50 mil por equipamento desativado e poderá ter de responder criminalmente.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo