A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

A crise na Venezuela e o vídeo que viralizou, mas não pôde ser checado

Fundadora | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.maio.2019 | 14h00 |

Na terça-feira (30), os fact-checkers profissionais da América Latina acordaram sob os efeitos de um vídeo que o venezuelano Juan Guaidó havia postado nas redes sociais para convocar seus compatriotas e dar início à chamada “Operação Liberdade”. Para o autoproclamado presidente da Venezuela, aquele movimento tinha o apoio das Forças Armadas e encerraria o governo de Nicolás Maduro em questão de horas.

O assunto merecia, portanto, toda a atenção dos verificadores. Por isso, a rede LatamChequea construiu uma iniciativa de colaboração e passou a trabalhar de forma conjunta, trocando checagens e publicando artigos verificados durante toda a jornada sob uma única hashtag, a #VENfacts. O resultado do trabalho feito por Agência Lupa, Ecuador Chequea e Chequeado pode ser visto aqui.

Mas a coluna de hoje é sobre os limites da verificação. Porque eles existem.

Um dos vídeos que mais circularam na terça-feira, uma gravação dramática que mostrava a rendição de militares fardados por companheiros de tropa, não pôde ser checada por ninguém. Todos os fact-checkers da coalizão latino-americana se envolveram no trabalho. Trocaram mensagens, apurações oficiais e impressões. Mas, por dificuldade de acesso a dados e em decorrência da ultrapolarização vivida na Venezuela, não foi possível concluir quem afinal rendia quem naquela cena. Assim sendo a dúvida permaneceu, e o vídeo foi usado com fartura, pelos dois lados da crise, como “prova irrefutável” de sua enorme força e sucesso. A checagem padeceu.

É bem possível que você tenha recebido essa gravação. Tente recordar. Ela mostra uma avenida ensolarada onde estão parados dois veículos brancos da Guarda Nacional Bolivariana.

A cena é filmada por uma mulher, com um celular, de um edifício em frente à avenida, mas um pouco distante. A mulher narra o momento exato em que um grupo de militares fardados e fortemente armados se aproxima, a pé, desses tanques e obriga os passageiros a descer dos veículos e se render.

A narradora comemora. É claramente partidária de Guaidó e, de longe, entende que os militares que lutam pela sustentação do governo de Nicolás Maduro são aqueles que estão dentro dos veículos e que os militares a favor de Juan Guaidó são aqueles que conseguem a rendição.

Mas como comprovar isso? Assista ao vídeo aqui.

Logo de cara, os fact-checkers descobrem que a cena havia se dado na avenida Francisco Fajardo, de Caracas, e que o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, tinha falado sobre ela numa coletiva de imprensa concedida poucas horas depois.

Para Padrino, um grupo “minúsculo” de militares e funcionários policiais havia roubado veículos e armas da Guarda Nacional Bolivariana para participar do movimento proposto por Guaidó. Eles tinham sido detectados e imobilizados pela inteligência venezuelana.

Nas redes, no entanto, dezenas de pessoas já compartilhavam a mesma gravação sugerindo exatamente o contrário. Junto com as hashtags de apoio a Guaidó, #OperaciónLibertad e #30Abr, postavam o seguinte: “Militares compatriotas pressionam seus companheiros para que desçam dos tanques na rodovia Francisco Fajardo (…) Vamos apoiá-los”.

Nos bastidores da iniciativa #VENfacts, os checadores analisavam detalhadamente os frames do vídeo em busca de diferença nos uniformes ou nas armas. Nada. Tudo igual. Buscavam também possíveis detalhes em áudio. Mas, da distância em que o celular está, não foi possível captar o que os militares disseram entre si. Na gravação também não havia rostos. E a dificuldade se instalou. Quem rendeu quem? Em quem acreditar?

Houve então o debate político: “Teria o ministro da Defesa mencionado o caso numa coletiva postada no Twitter se sua tropa tivesse sido rendida em plena luz do dia?”. E mais: “Será que a mulher que gravou esse vídeo ouviu alguma conversa entre os militares ou será que ela viu na avenida aquilo que tanto desejava?”

Pipocou então na Argentina uma postagem do portal Infobae, de grande audiência, com um título razoavelmente questionável do ponto de vista da checagem. “Assim se rendem os militares chavistas”, dizia o post, com o vídeo embedado – e nenhuma outra explicação adjacente.

Os checadores lamentaram. E as redes sociais também. Foram diversos os comentários que procuravam entender: “Mas afinal, o que exatamente estou vendo nessa imagem? Quem está rendendo quem?”.

A dúvida permanece até agora.

*Este artigo foi publicado na edição digital da revista Época no dia 6 de maio de 2019.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo