A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Secretário de Educação de SP erra sobre a pasta e sobre universidades no estado

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
16.maio.2019 | 12h00 |

Esta publicação foi corrigida às 20h16 do dia 16 de Maio de 2019. Veja abaixo.

Na segunda-feira (13), o secretário da Educação do estado de São Paulo, Rossieli Soares da Silva, concedeu uma entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Durante a conversa, falou sobre seus projetos para melhorar o desempenho da rede estadual e defendeu uma integração maior do trabalho com os municípios. Também elogiou a produção científica das universidades. A Lupa checou algumas das frases do secretário. Veja o resultado:

“A Secretaria de Educação, se fosse uma empresa, seria a terceira ou a quarta empresa do mundo em número de funcionários”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019.

FALSO

A Secretaria de Educação do Estado de São Paulo tem 250 mil funcionários, entre servidores públicos fixos e professores temporários. O número é bem menor do que de empregados de qualquer uma das empresas listadas pelo Fórum Econômico Mundial em 2015 como as 10 maiores em funcionários no mundo. Todas elas têm mais de 1 milhão de trabalhadores.

Órgãos públicos lideram a lista. O primeiro lugar é ocupado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com 3,2 milhões de empregados. Em seguida vem o Exército de Libertação Popular da China, com 2,3 milhões. A primeira empresa relacionada é a rede de supermercados Walmart, com 2,1 milhão de funcionários, seguida pelo McDonalds, que tem 1,9 milhão de empregados – entre funcionários diretos e franqueados.

Atualizado às 18h30 do dia 16 de maio de 2015: Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação disse que o ministro se referia “ao próprio Brasil e não sobre o contexto mundial”.


“[As] Universidades em São Paulo têm mais de 50% da pesquisa realizada [no país]”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019.

EXAGERADO

De acordo com um levantamento compilado pelo diretor técnico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, com base em artigos científicos publicados por 100 universidades e institutos de pesquisa brasileiros na plataforma Incites, as universidades paulistas – entre federais e estaduais – foram responsáveis por 33% das publicações de 2014 até 2018.

No período, 392.234 textos foram disponibilizados na plataforma, sendo 128.619 deles produzidos por instituições de ensino superior públicas de São Paulo. Se considerada apenas a produção das universidades estaduais – Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) –, o total de artigos publicados foi de 105.137, o que corresponde a 27% do total.

Atualizado às 18h30 do dia 16 de maio de 2015: Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação informou que o secretário se baseou no relatório “Research in Brazil – A report for CAPES by Clarivate Analytics”. Segundo a assessoria, esse relatório diz que “mais de 40% dos trabalhos de pesquisa brasileiros têm um autor afiliado a uma instituição paulista”.


“São mais de 30 [universidades municipais] somente aqui no estado”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019

EXAGERADO

O Cadastro e-MEC, onde estão listadas as instituições de ensino superior do país, mostra que o estado de São Paulo tem 18 universidades municipalizadas ativas atualmente. O número mencionado pelo secretário de Educação é 66% maior do que o real.

Os estabelecimentos de ensino estão espalhados por 17 municípios. Jundiaí é a única cidade com duas universidades municipalizadas.  

Atualizado às 18h30 do dia 16 de maio de 2015: Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação disse que o ministro se baseou em dados da Associação das Instituições Municipais de Ensino Superior de São Paulo (Aimes-SP), que lista 30 instituições.


“É uma rede de 250 mil colaboradores [na Secretaria de Educação]”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019.

VERDADEIRO

A lista de funcionários da Secretaria de Educação de São Paulo que está no Portal da Transparência da Secretaria de Fazenda e Planejamento do governo lista 249.507 pessoas trabalhando na secretaria ou em escolas. Outro documento, fornecido pela assessoria de imprensa da secretaria, informa que o número de funcionários é 235.080.

Correção às 19h30 do dia 16 de maio de 2019: Ao contrário do que foi informado inicialmente, o número de funcionários listados no Portal da Transparência da Secretaria de Fazenda e Planejamento é de 249.507, e não 280.376. Cerca de 30 mil funcionários apareciam mais de uma vez na listagem. Por isso, a etiqueta desta checagem foi mudada de “subestimado” para “verdadeiro”.  

(A Secretaria de Educação de São Paulo contava com 280.376 funcionários em abril deste ano, de acordo com os dados do Portal da Transparência da Secretaria da Fazenda e Planejamento do governo. O número é 10,8% maior do que o citado por Rossieli.

Desse total, 165.176 eram servidores públicos contratados com jornadas de 12, 24, 30 ou 40 horas semanais – 119.351 deles eram professores fixos. Havia ainda 115.200 funcionários temporários. Esse grupo era formado por 99% de professores.

Procurada para comentar, a assessoria do secretário não retornou)


“Quando o ministro Mendonça [Filho] assumiu o ministério [da Educação, em 2016], tinha R$ 5 bilhões de recursos contingenciados, que foram sendo recuperados ao longo do tempo”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019.

SUBESTIMADO

Em entrevista publicada no site do MEC em novembro de 2016, o então ministro da Educação, Mendonça Filho, afirmou que assumiu o cargo, em maio de 2016, com um contingenciamento de R$ 6,4 bilhões. Ele citou novamente este valor durante reunião com representantes da Associação Comercial de São Paulo, no mesmo mês. A quantia é 28% superior à que Rossieli mencionou.

Ainda de acordo com Mendonça Filho, foram descontingenciados R$ 4,7 bilhões ao longo daquele mesmo ano. Ou seja, apenas uma parte do valor foi recuperado.

Atualizado às 19h30 do dia 16 de maio: Em nota, a assessoria de comunicação da Secretaria de Educação declarou que a referência feita pelo ministro era sobre o valor recuperado, e não sobre o valor contingenciado.


“São Paulo avançou [na avaliação do Ideb] ao longo do tempo, sim, especialmente no 1º ao 5º ano teve um crescimento consistente”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019

VERDADEIRO

As últimas seis avaliações feitas pelo Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) mostraram crescimento na nota atribuída ao desempenho dos alunos do 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental em São Paulo. O estado também bateu a meta definida pelo Ministério da Educação para esta etapa do ensino em todos os levantamentos, feitos de dois em dois anos, de 2007 a 2017. No estudo mais recente, o objetivo era atingir 6,1, e SP chegou a 6,5.


“Temos 3,5 milhões de jovens estudando na rede estadual [de São Paulo]”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019

VERDADEIRO

Segundo a Sinopse Estatística da Educação Básica de 2018, existiam, naquele ano, 3,7 milhões de jovens matriculados na rede estadual de São Paulo. Esse número corresponde a 37,3% das matrículas de São Paulo. Ao todo, são 10 milhões de estudantes matriculados nas redes estadual, federal, municipal e privada.


“Temos [em São Paulo] 5.300 escolas [estaduais]”
Rossieli Soares da Silva, secretário da Educação do estado de São Paulo, em entrevista ao Roda Viva, da TV Cultura, no dia 13 de maio de 2019

VERDADEIRO

Os dados da Sinopse Estatística da Educação Básica de 2018 mostram que, no ano passado, existiam 5.322 escolas estaduais ativas em São Paulo. O estado tem 27.976 estabelecimentos de ensino, e a rede estadual corresponde a 19% do total. São Paulo conta ainda com 39 escolas federais, 11.833 escolas municipais e 10.782 escolas privadas.  

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo