A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Glauber Braga não aparece recebendo dinheiro em vídeo publicado no Facebook

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.jul.2019 | 20h00 |

Circula nas redes sociais vídeo que mostra um homem recebendo dinheiro e guardando na cueca. A legenda diz que a pessoa em questão é o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ), que chamou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, de “juiz ladrão” na última terça-feira (2) durante audiência pública na Câmara dos Deputados. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“O cara que chamou Moro de ladrão [Glauber Braga] sem provas [no vídeo abaixo]”
Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até as 19h do dia 4 de julho, tinha sido compartilhado por 8,9 mil pessoas

FALSO

A pessoa no vídeo analisado pela Lupa não é o deputado Glauber Braga (PSOL-RJ). Na realidade, quem aparece nas imagens é o empresário Alcyr Duarte Collaço Filho, proprietário do jornal Tribuna do Brasil e apontado em inquérito como emissário do PPS no caso do Mensalão do DEM. Em 2009, ele foi flagrado recebendo notas de R$ 100 no gabinete do então secretário de Relações Institucionais do governo do Distrito Federal, Durval Barbosa. Veja o vídeo abaixo:

Barbosa, responsável por gravar o vídeo, disse à Polícia Federal que Collaço, Augusto Carvalho, ex-secretário de Saúde do DF, e Fernando Antunes, ex-subsecretário, dividiam uma propina mensal de R$ 60 mil paga pela empresa Call Tecnologia. A companhia prestava serviços à secretaria. O caso do Mensalão do DEM ocorreu entre 2009 e 2010 e culminou na cassação do então governador José Roberto Arruda (então no DEM).

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Editado por: Nathália Afonso

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo