A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Brasil não é exemplo de conservação do meio ambiente: erros de Ricardo Salles na GloboNews

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
05.jul.2019 | 14h19 |

Na última quarta-feira (03), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi entrevistado no programa Central GloboNews. Na conversa, falou sobre o desmatamento da Amazônia – e errou. Com possibilidade de ser extinto, o Fundo Amazônia, que recebe doações da Noruega, Alemanha e Petrobras, também foi assunto – e também alvo de erro. A Lupa verificou as principais afirmações de Salles. Veja o resultado:

“O Brasil é um exemplo de conservação [ambiental]”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

FALSO

Segundo o Índice de Desempenho Ambiental de 2018, estudo feito anualmente pelas universidades americanas de Columbia e Yale que avalia a performance ambiental de 180 países, o desempenho do Brasil em conservação ambiental tende a ser mediano. 

Na métrica Biodiversidade e Habitat, o país ficou na 46ª colocação, enquanto na métrica Conservação de Florestas o país ficou com a 96ª. Na conservação de recursos pesqueiros, o Brasil teve uma colocação melhor: 6º lugar.

Na avaliação geral, que mede também outros aspectos ambientais além da conservação, o Brasil ficou na 69ª colocação em 2018, com nota 60,7 – de um total de 100 pontos possíveis. O país mais bem avaliado, a Suíça, recebeu nota 87,4, enquanto o país com pior desempenho, Burundi, teve 27,4. 

Procurada para comentar, a assessoria de Ricardo Salles não retornou.


“[O desmatamento] (…) se estabilizou entre 2004 e 2012”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

FALSO

A quantidade de quilômetros quadrados desmatados diminuiu nos três principais biomas brasileiros – Floresta Amazônica, Mata Atlântica e Cerrado – no período de 2004 a 2012. Assim, é falso dizer que o desmatamento “se estabilizou”, como afirmou o ministro. 

Os dados do Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes), mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), indicam que a taxa anual de desmatamento na floresta entrou em queda a partir de 2004 e atingiu o seu menor nível em 2012. A redução foi de 83,5% no período, passando de 27.772 quilômetros quadrados, em 2004, para 4.571 quilômetros quadrados em 2012. Foi o menor desmatamento registrado na série histórica do Prodes. Houve exceção em 2008, quando a área desmatada teve alta de 10,8% em relação a 2007 – de 11.651 para 12.911 quilômetros quadrados. Em 2009, no entanto, o número voltou a cair, atingindo 7.464 quilômetros quadrados, e seguiu nessa tendência até 2012.

No Cerrado, também segundo o Inpe, o desmatamento caiu de 299,4 quilômetros quadrados em 2004 para 95,4 quilômetros quadrados em 2012. 

Já para a Mata Atlântica, os dados anualizados só estão disponíveis a partir de 2010. No quinquênio entre 2000 e 2005, a média anual de desmatamento era de 349,7 quilômetros quadrados. Em medição realizada entre meados de 2011 e meados de 2012, o desmatamento foi de 219,8 quilômetros quadrados. As informações são da ONG SOS Mata Atlântica.

Procurada para comentar, a assessoria de Ricardo Salles não retornou.


“O desmatamento (…) vinha [crescendo] até 2004”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

VERDADEIRO, MAS

As taxas de desmatamento começaram a crescer em 1997, quando foi registrada a derrubada de 13.227 quilômetros quadrados da Amazônia pelo Prodes, do Inpe. A partir daí, o índice subiu ano a ano, com quedas muito pequenas de 1998 para 1999 (0,7%) e de 2000 para 2001 (0,3%), até chegar a 27.772 quilômetros quadrados desmatados em 2003. Esse foi o segundo maior índice registrado pela série histórica do Prodes. De 1997 até 2004, houve um crescimento de 109,9% no desmatamento da Amazônia. No Cerrado, houve um crescimento ligeiro entre 2001, primeiro ano com dados disponíveis, e 2004: de 294,3 quilômetros quadrados para 299,4 quilômetros quadrados. Os dados também são do Inpe.

Na Mata Atlântica, porém, a tendência foi inversa. No quinquênio entre 1995 e 2000, o desmatamento médio anual foi de 891,9 quilômetros quadrados. No quinquênio seguinte, a taxa caiu para 349,7 quilômetros quadrados ao ano. As informações são da ONG SOS Mata Atlântica.


“ONGs (…) recebem do Fundo Amazônia quase a metade do seu R$ 1,7 bilhão”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

EXAGERADO

O relatório de atividades de 2018 do Fundo Amazônia informa que 38% do valor do fundo – e não metade – foi destinado para o terceiro setor, ou seja, organizações sem fins lucrativos (ONGs). De 2009 a 2018, o fundo já recebeu R$ 1.860.881.542 em doações revertidas para 103 projetos. Sendo assim, os 38% destinados à ONGs correspondem a R$ 707 milhões, enquanto metade do valor seria R$ 930 milhões. Com isso, o valor mencionado pelo ministro foi 31,57% maior do que o valor real recebido pelas ONGs.  

Procurada para comentar, a assessoria de Ricardo Salles não retornou.


“O Brasil está muito abaixo, mas muito abaixo, do uso de agrotóxicos por hectare do que vários países da Europa”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

EXAGERADO

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Brasil consumiu, em 2016, 4,31 quilos de agrotóxico por hectare em suas lavouras. Esse volume é maior do que o utilizado em 19 dos 27 países da União Europeia para os quais há dados disponíveis (o bloco contém 28 nações). 

Se considerados outros países que não integram a União Europeia, mas estão localizados total ou parcialmente na Europa – como Rússia, Ucrânia e Albânia –, 28 dentre 38 consomem menos pesticidas do que o Brasil por hectare de produção, segundo a FAO. As 10 nações que usam mais agrotóxicos do que o Brasil são: Bélgica, Chipre, Eslovênia, Holanda, Irlanda, Itália, Malta, Montenegro, Portugal e Suíça.

Com relação ao volume de pesticidas propriamente dito, somente sete de 38 países usam uma quantidade ao menos 30% maior do que a do agronegócio brasileiro. Isso só ocorreu em Malta (179% a mais), Holanda (118% a mais), Bélgica (60% a mais), Itália (55% a mais), Montenegro (49% a mais), Irlanda (34% a mais) e Portugal (31% a mais). 

Das 28 nações europeias que usam menos agrotóxicos que o Brasil, 19 gastavam menos da metade da quantidade de defensivos agrícolas do que as lavouras brasileiras.

Procurada para comentar, a assessoria de Ricardo Salles não retornou.


“A quantidade de quilômetros desmatados [na Amazônia] no ano passado foi de 8 mil quilômetros quadrados”
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, em entrevista no Central GloboNews em 3 de julho de 2019

VERDADEIRO

Os dados do Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes), do Inpe, mostram que 7,5 mil quilômetros quadrados foram desmatados na Amazônia Legal em 2018. Segundo o programa, o Pará é o estado que mais desmatou, tendo desflorestado 36,41% da Amazônia Legal no ano passado. Em seguida aparecem os estados de Mato Grosso e Rondônia com, respectivamente, 19,77% e 17,46%. Vale destacar ainda que o desmatamento aumentou de 2017 para 2018, saindo de 6,9 mil quilômetros quadrados para 7,5 mil quilômetros quadrados.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo