A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Imagem de macaca chorando por filhote é da Índia, e não da Amazônia

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
21.ago.2019 | 16h40 |

Circula pelas redes sociais a imagem de uma macaca segurando o filhote nos braços, com expressão de agonia. A legenda que acompanha a foto diz que o pequeno macaco, que seria da espécie guariba, morreu asfixiado e chamuscado por uma queimada na mata no Brasil. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

 

“Mamãe guariba impotente, sofre e grita ao perceber que seu filhote não mais respira chamuscado-asfixiado pela queimada criminosa de sua mata. Impossível não se indignar contra a barbárie fascista que tanto infelicita os seres que vivem em nosso Brasil. Imperdoável!!!”

Legenda de foto que, até as 12h de 21 de agosto de 2019, tinha mais de 4,6 mil compartilhamentos no Facebook

FALSO

A informação, analisada pela Lupa, é falsa. O registro não foi feito recentemente no Brasil após um incêndio florestal, mas em condições normais na Índia, em 2017. Além disso, o pequeno macaco não está morto, mas desfalecido. Os primatas também não são guaribas, gênero que só pode ser encontrado nas Américas.

O autor da imagem é o fotógrafo profissional Avinash Lodhi, que viu a cena quando retratava um bando de macacos em Jabalpur, região central do país. Em entrevista para o site iChowk e também em seu post no Facebook, Lodhi contou que o filhote ficou inconsciente e foi logo acolhido pela mãe, que fez uma expressão de dor. O clique ocorreu nesse instante. Minutos depois, o pequeno macaco acordou.

Os bugios ou guaribas são macacos do gênero Alouatta, que ocorrem apenas nas Américas. Seu rosto costuma ter muitos pelos, e a pelagem no corpo também é bem mais extensa do que a dos primatas que aparecem na foto. O Alouatta discolor (veja abaixo), por exemplo, vive na Amazônia Oriental brasileira.

Crédito: Wikimedia Commons

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo