A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Lula tenha 243 milhões de euros no Banco do Vaticano

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
21.out.2019 | 21h37 |

Circula pelas redes sociais um post com a informação de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem uma conta com 243 milhões de euros no Banco do Vaticano. A denúncia foi feita no dia 15 de outubro por um homem chamado Jorge Sonnante, que se diz diácono e alega ter trabalhado na Santa Sé, em entrevista ao programa “Ahora con Roxana”, ancorado pela jornalista Roxana Lizárraga, da Bolívia. Outros presidentes e ex-presidentes de esquerda latino-americanos também são citados. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“‘Lula possui 243 milhões de Euros depositados no Banco do Vaticano!!!’ Padre revela e mostra relatório”
Texto de post no Facebook que, até as 18h de 21 de outubro de 2019, tinha 648 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Em janeiro deste ano, quando a denúncia contra Lula e outros ex-presidentes começou a circular, o diretor interino de imprensa da Santa Sé, Alessandro Gisotti, afirmou em entrevista coletiva para jornalistas que nenhum presidente ou ex-presidente latino-americano teve ou tem conta bancária no Instituto para as Obras de Religião (IOR), conhecido popularmente como Banco do Vaticano. Além disso, os documentos apresentados como “provas” são forjados, como mostrou a plataforma de checagem ColombiaCheck.

A primeira reportagem sobre os documentos que comprovariam essas contas foi publicada pelo site colombiano El Expediente, em 9 de janeiro de 2019. Além de Lula, foram citados Cristina Kirchner (Argentina), Daniel Ortega (Nicarágua), Evo Morales (Bolívia), Juan Manuel Santos (Colômbia), Nicolás Maduro (Venezuela), Rafael Correa (Equador) e Raúl Castro (Cuba). Sonnante aparece como autor da denúncia. Em sua conta no Twitter, o diretor do site e autor do texto, Gustavo Rugeles, publicou uma imagem com tarjas de um documento que traz o nome de alguns desses políticos.

Ao ser questionado sobre o caso dois dias depois, Alessandro Gisotti, do Vaticano, desmentiu a informação: “Depois de verificar com as autoridades competentes, posso afirmar que nenhuma das pessoas mencionadas no artigo de El Expediente jamais teve uma conta bancária no IOR, nem tem atualmente, nem delegou contas a terceiros, nem teria – segundo as novas normas adotadas pelo instituto – algum título que permitisse acessar alguma operação nele. Os documentos apresentados como prova são falsos. O IOR reserva-se o direito de tomar medidas legais”.

A informação foi classificada como falsa em janeiro pela plataforma ColombiaCheck. O site apontou uma série de inconsistências nas “provas” exibidas pelo El Expediente, como uma assinatura incluída digitalmente em um dos “documentos” e trechos escritos em espanhol quando deveriam estar em italiano.

Há, também, erros de tradução no uso de termos italianos, como também foi verificado pelo jornal italiano La Stampa. A palavra “banconote”, por exemplo, aparece em um dos “documentos” como sinônimo de “número da conta”, quando significa “notas de dinheiro”. O ColombiaCheck também encontrou inconsistências nas supostas credenciais apresentadas por Sonnante.

A história voltou a circular recentemente durante as eleições presidenciais da Bolívia. O atual presidente, Evo Morales, disputa seu quarto mandato consecutivo. Algumas plataformas locais, como o ChequeaBolivia, também verificaram o boato. 

Uma versão semelhante dessa checagem foi feita por Boatos.org e E-farsas.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo