A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Lula Marques
Foto: Lula Marques

Rotas de navios do Greenpeace desmentem tuíte de Salles sobre vazamento de óleo

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.out.2019 | 19h50 |

Nesta quinta-feira (24), o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, divulgou um post no Twitter afirmando que um navio do Greenpeace estaria “navegando em águas internacionais em frente ao litoral brasileiro” na época em que houve o “derramamento de óleo venezuelano”. Apesar da insinuação, os trajetos dos navios do Greenpeace não coincidem com os derramamentos verificados na costa brasileira.

Das três embarcações do Greenpeace, duas estão no Atlântico Sul. Uma delas, a Esperanza, de fato passou pela costa do Nordeste brasileiro. A viagem, no entanto, é posterior à descoberta de petróleo no litoral. Além disso, ao contrário do que diz o ministro, a maior parte do trajeto foi feito dentro da Zona Econômica Exclusiva brasileira – faixa de 200 milhas náuticas (370,4 quilômetros) sobre a qual o país tem prioridade de exploração econômica –  e não em águas internacionais (ou alto-mar).

Segundo a ferramenta MarineTraffic, que agrega dados de posicionamento de navios do mundo todo, o Esperanza chegou ao Nordeste brasileiro no dia 8 de outubro de 2019, quando passou pela costa do Maranhão. Por outro lado, o primeiro registro de petróleo em praias brasileiras ocorreu em 30 de agosto, nas praias de Pitimbu e do Conde, ambas na Paraíba. Na época, o Esperanza estava na Guiana Francesa, a mais de 2,5 mil quilômetros de distância.

O navio Esperanza deixou o Nordeste no dia 17 de outubro. O último registro da embarcação na região foi feito a cerca de 100 quilômetros do arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia. Atualmente, o navio está em Montevidéu, no Uruguai, em deslocamento para Buenos Aires, na Argentina.

Linha do tempo

O trajeto do Esperanza não coincide com a rota do petróleo. A embarcação deixou o porto de Degrad des Cannes, na Guiana Francesa, em direção ao Nordeste brasileiro no dia 5 de outubro. A essa altura, todos os estados da região já tinham sido atingidos pelas manchas de óleo.

No dia 8 de outubro, o navio estava em alto-mar, a 370 quilômetros da foz do rio Gurupi – limite entre o Pará e o Maranhão. O petróleo atingiu 12 pontos do litoral maranhense entre os dias 16 e 26 de setembro, ou seja, dias antes da passagem do navio. O mesmo vale para o Piauí, cujo litoral foi atingido pelo petróleo entre os dias 27 e 30 de setembro.

Ao meio-dia do dia 10 de outubro, o Esperanza estava na altura da costa do Ceará, a cerca de 357 quilômetros de Jericoacoara. Dos 14 pontos no qual petróleo foi encontrado no estado, apenas quatro foram em datas posteriores ao dia 10. Pontos do estado já estavam sendo atingidos pelo petróleo no dia 7 de setembro.

A partir do dia 10, o navio começou a se aproximar gradualmente da costa. No dia 12, estava a 153 quilômetros de Guamaré, no Rio Grande do Norte, e no dia seguinte, já estava a 37 quilômetros de Jacumã, no mesmo estado. Dos 46 pontos atingidos pelo petróleo no estado, quatro foram depois desse período. O material atingiu as praias do estado pela primeira vez no dia 7 de setembro.

No dia 14, o barco estava próximo ao Cabo Branco, na Paraíba, estado onde os primeiros vazamentos foram registrados 44 dias antes da chegada da embarcação. Todos os registros de petróleo nas praias do estado são anteriores a 30 de setembro. 

No dia seguinte, a embarcação já estava na altura de Maceió, Alagoas, passando por Pernambuco nesse meio tempo. Pela primeira vez, a passagem do barco coincide com registros de óleo nas praias. No dia 16 de outubro, cinco praias foram atingidas nos municípios de Maragogi e Jarapatinga.

Outros 16 pontos do litoral de Pernambuco e Alagoas foram afetados pelos vazamentos nos dias seguintes. Entretanto, o material já estava sendo registrado nas praias pernambucanas em 2 de setembro e em Maceió, capital do Alagoas, em 15 de setembro.

Finalmente, no dia 16, o Esperanza viajou pelas costas do Sergipe e da Bahia. Novamente, há registros de petróleo em pontos do litoral desses dois estados nessas datas e nos dias posteriores, especialmente na região de Ilhéus – ponto mais meridional a ser atingido pelo vazamento. No dia 17, o navio chegou ao extremo sul da Bahia, região que não foi atingida.

Outros indícios

Além da rota do navio não coincidir com os vazamentos registrados na costa brasileira, o Esperanza tampouco passou pela região considerada como ponto mais provável da origem do petróleo.

Segundo estudo do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), encomendado pela Marinha, o óleo provavelmente veio de uma região em alto-mar, a cerca de 700 quilômetros da costa dos estados do Alagoas e Sergipe, em águas internacionais. O vazamento teria ocorrido no mês de junho. Essa informação ainda não foi confirmada.

O Esperanza não passou pela região, nem em junho, nem atualmente. No mês em que o vazamento supostamente teria começado, a embarcação estava no Atlântico Norte, tendo ancorado nos portos de Portland, Reino Unido, no início do mês, e em Horta, no território português de Açores, no final. 

Em outubro, a embarcação passou a cerca de 150 quilômetros da costa do Alagoas e de Sergipe, ou seja, a pelo menos 500 quilômetros da área em questão.  

Além disso, o Esperanza é uma embarcação relativamente pequena, se comparada, por exemplo, a um navio petroleiro. Sua carga máxima é de apenas 425 toneladas. Isso equivale a menos da metade do petróleo removido até o dia 21 de outubro – 900 toneladas, segundo a Marinha.

Vale destacar, ainda, que a foto publicada por Salles é de 2016 e mostra o navio Esperanza no Oceano Índico em uma ação de combate a pesca abundante de atum. Naquele ano, o Greenpeace divulgou um vídeo em seu canal do YouTube sobre a operação.

Os navios do Greenpeace

Além do Esperanza, o Greenpeace possui outras duas embarcações: o Arctic Sunrise e o Rainbow Warrior. O primeiro esteve no Atlântico Sul, mas passou pela costa da África, tendo sido registradas suas presenças nos portos de Las Palmas, nas Ilhas Canárias, Espanha, em Dakar, no Senegal, e na Cidade do Cabo, África do Sul. Antes disso, estava na costa da Europa. Já o Rainbow Warrior está na Europa desde abril, tendo ancorado pela última vez em Amsterdam, na Holanda. Os dados são das plataformas Vessel Finder e Equasis.

O que dizem os dois lados?

Em nota, a assessoria do ministro Ricardo Salles disse apenas que “o navio do Greenpeace confirma que navegou pela costa do Brasil na época do aparecimento do óleo venezuelano, e assim como seus membros em terra, não se prontificou a ajudar”. É falsa, porém, a alegação de que não havia membros em terra ajudando na limpeza das praias. Pessoas ligadas à ONG atuaram em São Luiz, Fortaleza e outras cidades litorâneas da região.

Em nota, o Greenpeace disse que “trata-se, mais uma vez, de criar uma cortina de fumaça na tentativa de esconder a incapacidade de Salles em lidar com a situação. É bom lembrar que isso vem de alguém conhecido por mentir que estudava em Yale e ser condenado na Justiça por fraude ambiental”. A instituição confirma que o navio fez o trajeto citado na reportagem e diz que tomará as “medidas legais cabíveis” contra o ministro.

Editado por: Natália Leal e Nathália Afonso

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo