A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Fotos: Rosinei Coutinho/SCO/STF
Fotos: Rosinei Coutinho/SCO/STF

#Verificamos: São falsas as declarações de ministros do STF defendendo estupro e pedofilia

Editor | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
29.out.2019 | 09h45 |

Circulam nas redes sociais duas frases atribuídas aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber e Celso de Mello. Weber teria dito que estupro “é uma palavra muito forte” e que não deveria resultar em cadeia. Já Mello teria afirmado que “o sexo com uma criança não pode balizar (sic) uma punição apressada”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“Estupro é uma palavra muito forte; eu chamo de ‘sexo forte’ e não acho que mereça cadeia assim tão facilmente”

Texto em imagem publicada no Facebook que, até as 22h do dia 28 de outubro de 2019, tinha sido compartilhada por mais de 800 pessoas

FALSO

Não existe nenhum registro de que a ministra Rosa Weber tenha dito a frase analisada pela Lupa. Segundo a assessoria de imprensa do STF, a ministra nunca deu essa declaração.

A frase é bastante similar a um post do humorista Whindersson Nunes no Twitter, em 2014. “Estupro é uma palavra muito forte, prefiro chamar de sexo surpresa”, disse. Posteriormente, ele apagou essa publicação e se desculpou. “Me arrependo, porque eu tenho irmã, tenho mãe, e tenho medo, medo de acontecer com as pessoas que amo”, disse.

 


“Todo amor é lindo e deve ser válido, o sexo com uma criança não pode balizar uma punição apressada. Onde esse país vai parar se proibirmos o amor no Brasil?”

Texto em imagem publicada no Facebook que, até as 22h do dia 28 de outubro de 2019, tinha sido compartilhada por mais de 800 pessoas

FALSO

Não existe nenhum registro de que o ministro Celso de Mello tenha dito a frase analisada pela Lupa. Segundo a assessoria de imprensa do STF, o ministro nunca deu essa declaração. Ele tampouco votou para que “pedófilos nunca sejam presos”.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo