A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que três países árabes sejam donos da Rede Globo

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
31.out.2019 | 15h51 |

Circula pelas redes sociais um post com a afirmação de que três países árabes – Bahrein, Líbia e Kuwait – são donos da Rede Globo. Isso teria ocorrido por conta de empréstimos contraídos junto ao “Arabic Bank”, que levaram essas nações a se tornarem proprietárias de 98% da emissora de TV.  Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“A Rede Globo pertence ao Bahrein, Libia e Kwait (sic). A Rede Globo deve a esses países muito dinheiro através de empréstimos que foram feitos pelo Arabic Bank. Esses três países são donos de 98% da Rede da família Marinho.”

Texto de post no Facebook que, até as 9h30 de 31 de outubro de 2019, tinha mais de 1,8 mil compartilhamentos

FALSO

As informações analisadas pela Lupa são falsas. A associação da Globo com os países árabes, feita pelo post, deve-se a uma confusão com as atividades da família Marinho, que é proprietária da emissora e de outras empresas. A assessoria de imprensa da Globo afirmou, em nota enviada por e-mail, que nenhuma das afirmações feitas pela publicação é verdadeira.

O Grupo Roberto Marinho, hoje Grupo Globo, criou o Banco Roma de Investimentos em 1983. Em 1989, a instituição tornou-se uma joint venture, ou seja, uma associação econômica entre duas empresas, e mudou de nome para Banco ABC Roma com a entrada da Arab Banking Corporation – também conhecida como Banco ABC, instituição com sede no Bahrein cujos maiores acionistas são o Banco Central da Líbia e a Autoridade de Investimentos do Kuwait. Naquela época, estrangeiros não podiam ser donos de bancos no país e era necessário se associar a empresas brasileiras. O ABC Roma oferecia crédito corporativo, entre outros serviços.

A participação do Grupo Roberto Marinho foi comprada pela Arab Banking Corporation em 1997. Depois disso, a instituição mudou de nome para Banco ABC Brasil, que mantém até hoje. A Arab Banking Corporation não adquiriu, portanto, a maior parte do Grupo Globo, como afirma o post que circula nas redes sociais. Na verdade, houve apenas a aquisição da parcela correspondente à família Marinho no Banco ABC Roma.

Além disso, a publicação tem outros erros elementares sobre as relações políticas entre países do Oriente Médio. O texto diz, por exemplo, que os três países citados são “inimigos declarados” da Arábia Saudita e do Qatar, o que está totalmente incorreto. Na realidade, são os dois países visitados recentemente por Bolsonaro que têm relações bastante tensas entre si

Desde 2017, a Arábia Saudita lidera um bloqueio internacional contra o Qatar. O Bahrein é um dos países que aderiram a esse bloqueio, junto com Emirados Árabes Unidos e Egito. Já o Kuwait é um dos poucos países da região que mantêm boas relações com ambos os lados da disputa, e atualmente media o conflito diplomático. No norte da África (portanto, longe do Golfo Pérsico), a Líbia não tem um governo único centralizado desde a queda de Muammar Kadhafi, em 2011 – e, portanto, não tem participação relevante nessa disputa.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo