A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falsa a história trágica de jovem que morreu em Florianópolis após sucumbir às drogas

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.dez.2019 | 14h43 |

Circula pelas redes sociais um post com a história trágica de uma jovem de família de classe média alta de Florianópolis, chamada Patrícia, que teria se tornado dependente química de drogas como maconha e cocaína. Para sustentar o vício, ela teria se prostituído e contraiu o vírus da aids. O texto diz ainda que, quando estava à beira da morte, Patrícia pediu à enfermeira Danelise, do Hospital Universitário de Florianópolis, para que redigisse uma carta com o relato sobre a sua vida e a endereçasse aos jovens de todo o Brasil. Ela teria morrido 14 horas depois. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“Meu nome é Patrícia, tenho 17 anos, e encontro-me no momento quase sem forças, mas pedi para a enfermeira Dane minha amiga, para escrever esta carta que será endereçada aos jovens de todo o Brasil, antes que seja tarde demais. (…) OBS.: Patrícia encontrava-se internada no Hospital Universitário de Florianópolis e descreve a enfermeira Danelise que Patrícia veio a falecer 14 horas mais tarde que escreveram essa carta, de parada cardíaca respiratória em conseqüência da AIDS.”

Trecho de post no Facebook que, até as 11h de 10 de dezembro de 2019, tinha mais de 210 mil compartilhamentos

FALSO

O texto analisado pela Lupa é uma ficção. A história foi inventada pelo escritor Romeu Rodrigues de Lima, já falecido, e aparece na página 71 do livro Ocê Qué Sabê? – O inconformismo de cada um, publicado pela editora Clube de Autores. A obra, lançada em 2013, reúne contos e crônicas do autor, que publicava textos no site Conspirações, hoje fora do ar. Na introdução, Lima faz uma advertência e afirma que seu objetivo é provocar o leitor em relação ao “que não deve e deve ser feito dentro dos seus limites”.

Embora o livro tenha sido publicado em 2013, o texto circula na rede pelo menos desde 2003, em versões ligeiramente diferentes, com fotos de outras mulheres que seriam a “Patrícia” da narrativa. Por se tratar de uma coletânea, é muito provável que Lima tenha publicado a história primeiro na web – o conteúdo então foi compartilhado por outras pessoas, que omitiram a autoria. O site Quatro Cantos chegou a fazer uma análise das inconsistências presentes no texto, em 2013.

A “Patrícia” que aparece na foto do post analisado pela Lupa é na verdade a modelo Fernanda Barroso, ex-namorada do jogador Neymar. Ela desativou a sua conta no Instagram no ano passado, segundo a página do seu fã clube no Facebook. Isso teria ocorrido por conta de “comentários maldosos” e de perfis fakes criados com as imagens postadas pela modelo.

A Lupa também entrou em contato com o Hospital Universitário (HU) de Florianópolis, onde “Patrícia” teria morrido pouco depois de ditar a carta para a enfermeira “Danelise”. Em nota enviada por e-mail, a assessoria de imprensa do hospital informou que não há nenhum registro de que o caso narrado pelo texto tenha ocorrido na instituição. Além disso, jamais houve uma funcionária na enfermagem do HU com o nome de “Danelise”.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo