A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que patente prove que farmacêuticas espalharam novo coronavírus para vender vacinas

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.jan.2020 | 18h37 |

Circula pelas redes sociais um post com a afirmação de que já existe uma patente para uma versão atenuada (ou seja, inofensiva) do coronavírus, causador de 26 mortes na China até esta sexta-feira (24). Segundo o texto da publicação, epidemias têm sido criadas para que depois se venda a cura para essas doenças. A existência da patente seria uma prova disso, uma vez que a versão atenuada de um vírus é matéria-prima para a produção de vacinas. Depois de aparecer na cidade chinesa de Wuhan em dezembro, o coronavírus já infectou 830 pessoas no país e tem despertado a atenção de cientistas em todo o mundo. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“Problema-Reação-Solução. A regra de três há muito tempo utilizada pelo Sistema Ocultista. Eles criam epidemias, causam transtornos fisiológicos, mortes e histeria e subsequentemente apresentam suas vacinas para ‘solucionar’ a questão.

Patente do Coronavírus ‘atenuado’: https://patents.justia.com/patent/10130701

Texto em post no Facebook que, até as 15h de 24 de janeiro de 2020, tinha 312 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A patente realmente existe, mas se trata de uma versão atenuada do vírus da bronquite infecciosa (IBV), um coronavírus que infecta aves. Não há qualquer relação com a variante que começou a circular na China no ano passado. A patente foi obtida pelo Instituto Pirbright, localizado no Reino Unido, e deve ajudar no desenvolvimento de uma vacina que possa ser injetada nos ovos de pássaros. Em sua página, o centro de pesquisa explica que não estuda nenhuma cepa que atinja os seres humanos. O instituto é especializado em doenças virais que atingem animais de fazenda.

Os coronavírus são uma família de vírus que provocam doenças respiratórias tanto em animais quanto em pessoas, segundo informações do Ministério da Saúde. Uma das suas variantes é causadora da síndrome respiratória aguda grave (SARS, sigla em inglês para Severe Acute Respiratory Syndrome). Essa doença, também conhecida como pneumonia asiática, foi detectada na China pela primeira vez no final de 2002. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a SARS atingiu 8.096 pessoas em mais de 25 países e provocou 774 mortes até 31 de julho de 2003.

De acordo com o Instituto Pirbright, atualmente existem sete diferentes tipos do vírus capazes de infectar seres humanos. Alguns deles são pouco perigosos e sua infecção é semelhante a um resfriado. Outros podem ser graves, como a versão causadora da SARS e também aquela responsável pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS, sigla em inglês de Middle East Respiratory Syndrome), identificada em 2012 na Arábia Saudita.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo