A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É da Indonésia, e não da China, vídeo em feira que vende carne de cobra, rato e outros animais

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
30.jan.2020 | 17h07 |

Circula nas redes sociais um vídeo que, supostamente, mostra o mercado em Wuhan onde se suspeita que o novo coronavírus teria surgido, em dezembro. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“O mercado de Wuhan. O foco inicial do coronavírus”
Título de vídeo publicado no YouTube que, até as 16h do dia 30 de janeiro, tinha sido visualizado por mais de 170 pessoas

FALSO

O vídeo analisado pela Lupa não foi gravado na cidade chinesa de Wuhan, mas sim em um mercado na ilha de Celebes, ou Sulawesi, na Indonésia. Ainda não há casos confirmados do novo coronavírus no país. Há suspeitas de que o vírus tenha infectado seres humanos pela primeira vez em um mercado a céu aberto em Wuhan, mas essa hipótese ainda não foi confirmada.

Essas imagens já circulavam nas redes sociais em 19 de julho de 2019, portanto, seis meses antes do início do surto. Logo no início, é possível ler os letreiros “Pasar EXTREAM Langawan”. Em indonésio, isso significa “o mercado extremo de Langawan”. Segundo o site indonésio de fact-checking Tempo.co, este mercado fica no norte da Ilha de Celebes, e é conhecido por vender a carne de animais como cobras, cachorros e ratos. Veja o vídeo original abaixo:

Há dois outros elementos que confirmam que o mercado realmente fica na Indonésia, e não na China. Por volta dos 20 segundos de vídeo, é possível ver uma placa que diz o seguinte: “Governo da Regência de Minahasa, Escritório de Comércio, Escritório do Mercado de Langowan”. Além disso, segundo o Tempo.co, é possível escutar os feirantes falando em indonésio.

A origem do 2019-nCoV, nome oficial do novo coronavírus, ainda não está clara. Há suspeitas de que ele tenha surgido no mercado de animais vivos e frutos do mar de Huanan, em Wuhan. Segundo pesquisa publicada no periódico de ciências médicas The Lancet, a maioria dos 41 primeiros indivíduos infectados pelo vírus estiveram nesta localidade. Entretanto, a hipótese ainda não foi confirmada.

Para verificar peças de desinformação que circulam sobre o novo coronavírus, a Lupa participa de uma coalizão com checadores de 30 países, coordenada pela International Fact-Checking Network (IFCN). Além do Tempo.co, esse vídeo também foi verificado pelos sites Maldito Bulo e Newtral, da Espanha, Pagella Politica, da Itália, BOOM Factcheck e Factly, da Índia. No Brasil, o vídeo também foi verificado pelo AFP Checamos.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo