A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

#Verificamos: É falso que roubo de celular pode ser ‘legalizado’ pelo STF

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.fev.2020 | 18h24 |

Circula nas redes sociais texto que diz que o Supremo Tribunal Federal pretende “legalizar” o roubo de celular. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“URGENTE: Roubar celular poderá ser legalizado pelo STF”
Texto publicado no site Jornal 316 que, até as 17h30 do dia 6 de fevereiro de 2020, tinha sido compartilhado por mais de 500 pessoas no Facebook

FALSO

O conteúdo analisado pela Lupa é falso. Não há nenhuma discussão na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a “legalização” do roubo de celular. O que realmente aconteceu é que, em 2017, a corte determinou a soltura de um réu responsável por furtar, e não roubar, um celular no valor de R$ 90, com base no princípio da insignificância. Este conceito jurídico significa que a Justiça pode decidir não punir um infrator caso o crime cometido não seja grave – como, por exemplo, furtar uma barra de chocolate de um supermercado.

Apesar da palavra “urgente”, o texto publicado pelo site Jornal 316 é cópia de um conteúdo publicado em 2017 no site TV Cidade News – que, por sua vez, copiou do site Senso Incomum (essa versão foi apagada). Sem oferecer qualquer evidência, o texto diz que “o entendimento do STF é de que um roubo de celular de até R$ 500 cai no princípio da insignificância”. Na época, a corte decidiu extinguir ação contra um réu condenado por furtar um celular no valor de R$ 90, e não R$ 500.

Há decisões do STF que rejeitam o princípio da insignificância para furtos de bens no valor de R$ 500. Em 2016, por exemplo, a ministra Cármen Lúcia rejeitou um habeas corpus de um réu acusado de furtar estatuetas de madeira neste valor. “Não se há, pois, cogitar da incidência do princípio da insignificância, representando o valor dos bens subtraídos de R$ 500,00 – 73,74% de R$ 678,00, salário mínimo vigente na data dos fatos”, diz a decisão.

Furto e roubo são crimes diferentes. Segundo o Código Penal, o furto ocorre quando alguém toma para si algo de propriedade de outra pessoa ou um bem comum, sem ameaça ou agressão. É considerado roubo quando alguém faz isso “mediante grave ameaça ou violência a pessoa”. Pela jurisprudência do STF, crimes realizados com violência ou ameaça de violência não se enquadram no princípio da insignificância.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Nathália Afonso

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo