A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falsa discrepância de datas entre reportagem e conversa inicial de Hans River com jornalista da Folha

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
12.fev.2020 | 12h30 |

Circula nas redes sociais um post com a afirmação de que a data das conversas entre a jornalista Patrícia Campos Mello e Hans River do Rio Nascimento seria posterior à publicação de uma matéria para a qual ele serviu de fonte. Isso indicaria que as conversas entre os dois teriam sido manipuladas pela Folha de S.Paulo. Nascimento depôs, na terça-feira (11), na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, e fez acusações contra Campos Mello e o jornal Folha de S.Paulo. O jornal desmentiu as acusações publicando capturas de tela de conversas da jornalista com Nascimento e arquivos de áudio mandados por ele. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“SE O ZE PEQUENO [Hans River] FOI A FONTE, PORQUÊ AS DATAS NÃO BATEM? [imagens de uma conversa no WhatsApp de 19 de novembro e uma reportagem de 18 de outubro]”
Tuíte do perfil Joaquin Teixeira que, até as 11h do dia 12 de dezembro de 2020, tinha sido retuitado por mais de 200 pessoas

FALSO

A afirmação analisada pela Lupa é falsa. Ao contrário do que sugere o post que circula nas redes sociais, Hans River Rio do Nascimento não foi fonte da reportagem “Empresários bancam campanha contra o PT pelo WhatsApp”, publicada pela Folha de S. Paulo em 18 de outubro de 2018. 

Ele foi citado em outra reportagem da Folha, de 2 de dezembro de 2018, cujo título é “Fraude com CPF viabilizou disparo de mensagens de WhatsApp na eleição”. Ou seja, as datas batem, considerando-se o contato inicial feito com a fonte e a publicação do primeiro texto em que Nascimento foi citado. 

Nesse texto, a data da conversa, inclusive, é citada. “A Folha falou diversas vezes com o autor da ação, Hans River do Rio Nascimento, ex-funcionário de uma dessas empresas. Nas primeiras conversas, ocorridas a partir de 19 de novembro e sempre gravadas, ele disse que não sabia quais campanhas se valeram da fraude, mas reafirmou o conteúdo dos autos e respondeu a perguntas feitas pela reportagem”, diz trecho. É possível comprovar que essas frases não foram inseridas posteriormente na matéria utilizando a ferramenta Wayback Machine.

Documentos apresentados por Nascimento à Folha e à Justiça do Trabalho mostraram que a Yacows, uma das agências responsáveis pelo disparo em massa de mensagens de WhatsApp, usava o CPF de idosos sem o seu consentimento para registrar chips de celulares que eram usados para fazer esse serviço. Nascimento trabalhou na Yacows durante o período eleitoral.

Nesta terça-feira, após ser convocado pelo deputado Rui Falcão (PT-SP), Nascimento prestou depoimento à CPMI das Fake News. Além de citar informações comprovadamente falsas sobre sua relação com Campos Mello, ele também disse outras inverdades durante o depoimento. Em uma “pegadinha” feita pela deputada Natália Bonavides (PT-RN), por exemplo, ele disse ter trabalhado, em 2018, em uma campanha do paulistano Police Neto (PSD) – que sequer participou da disputa.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo