A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso tuíte atribuído a Paulo Guedes sobre ‘doação’ de refinaria à Bolívia

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
13.fev.2020 | 14h29 |

Circula pelas redes sociais um tuíte atribuído ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em que rebate críticas das pessoas que o chamaram de “entreguista”. Segundo a publicação, ele teria pedido para que se lembrassem que quem doou uma refinaria de gás para a Bolívia foi o PT. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“Aos ‘abobados’ que me chamam de ‘entreguista’, lembro que quem doou uma refinaria de gás para a Bolívia foi o PT”

Tuíte atribuído ao ministro da Economia, Paulo Guedes, em post no Facebook que, até as 9h30 de 13 de fevereiro de 2020, tinha 632 compartilhamentos

FALSO

O tuíte analisado pela Lupa é falso. A assessoria de imprensa do Ministério da Economia informou, em nota enviada por e-mail, que Paulo Guedes não tem perfil em nenhuma rede social. Também não há nenhuma manifestação pública do ministro em que ele tenha falado essa frase. 

Declarações polêmicas de Guedes costumam ser amplamente noticiadas pela imprensa. Na última quarta-feira (12), ele criticou o acesso da população mais pobre a viagens internacionais ao elogiar o valor alto do dólar: “Vamos importar menos, fazer substituição de importações, turismo. Todo mundo [estava] indo para a Disneylândia, empregada doméstica indo para a Disneylândia, uma festa danada”.

A conta responsável pelo tuíte sobre a refinaria de gás foi deletada, mas a publicação ainda aparecia, nesta quinta-feira (13) em pesquisas do Google. Acusações sobre a suposta doação circulam há bastante tempo. Na verdade, o então presidente da Bolívia, Evo Morales, nacionalizou toda a exploração de petróleo e gás em 2006. Com isso, a Petrobras e outras empresas que atuavam no país foram obrigadas a entregar suas instalações à estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB). No caso brasileiro, houve a incorporação de duas refinarias, localizadas nas cidades de Santa Cruz de la Sierra e Cochabamba.

Em 2007, a Petrobras concluiu a transferência dessas duas instalações para a YPFB, após um acordo que resultou no pagamento de uma indenização de US$ 112 milhões, divididos em duas parcelas, pela estatal boliviana. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estava no seu primeiro mandato quando a nacionalização aconteceu, disse que foi consultado por Morales previamente em um evento em 2015. “O Evo me perguntou: ‘como vocês ficarão se nós nacionalizarmos a Petrobrás’. Respondi: ‘o gás é de vocês’. E foi assim que nos comportamos, respeitando a soberania da Bolívia”, afirmou. Houve, no entanto, um ressarcimento à empresa brasileira.

Outros tuítes ou frases atribuídos ao ministro já foram checados anteriormente pela Lupa, sobre corte de verbas para megaeventos como o Carnaval, anunciando o fim do auxílio-reclusão ou com críticas ao Congresso, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept Brasil, ao vazamento de conversas de Sergio Moro e procuradores e ao acesso de estudantes de famílias pobres a instituições de ensino superior..

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Natália Leal e Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo