A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução TV Globo
Foto: Reprodução TV Globo

#Verificamos: Fátima Bernardes não prometeu reformar cela de transexual que apareceu em reportagem do Fantástico

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
11.mar.2020 | 17h02 |

Circula nas redes sociais que o programa Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, vai reformar a cela da transexual Suzy de Oliveira Santos. Condenada por homicídio e estupro de vulnerável, ela ganhou notoriedade após aparecer em reportagem no programa Fantástico.  Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da ​Lupa​:

“Fátima Bernardes faz surpresa e vai reformar a cela da transexual Susy”
Título de conteúdo publicado pelos sites JPC Notícias e QuerVer que, até as 13h do dia 11 de março, tinham sido compartilhados por cerca de 4,5 mil pessoas no Facebook

FALSO

A informação verificada pela Lupa é falsa. O texto que circula pelas redes diz que a “surpresa” teria sido anunciada durante o Encontro com Fátima Bernardes, da TV Globo, exibido na última segunda-feira (9). Entretanto, o caso nem sequer foi citado na ocasião. Na realidade, o programa teve como principal tema “perrengues” pelos quais as mães passam. Foi apresentado também um quadro sobre os efeitos do coronavírus em países estrangeiros e outro sobre os 40 anos do movimento Charme.

Em nota, a produção do programa da TV Globo negou a existência desse quadro. “[A notícia é] Totalmente falsa. A Suzy sequer foi citada no programa.”

Não é a primeira vez que um boato desse tipo envolve o programa Encontro. Em 2018, a apresentadora foi acusada de reformar a casa da família de um assaltante que foi morto por uma policial militar em São Paulo. No mesmo ano, um boato idêntico falava que a apresentadora reformaria a casa da família de Adélio Bispo de Oliveira, autor de atentado contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a campanha eleitoral. As duas histórias eram falsas.

O caso

No dia 1º, o programa Fantástico, também da TV Globo, exibiu reportagem sobre detentas transexuais em presídios masculinos. Uma das personagens era Suzy de Oliveira Santos, que recebeu um abraço do médico Drauzio Varella após revelar que não recebia visitas há oito anos. Sete dias depois, reportagem do site O Antagonista revelou que Suzy foi condenada por estuprar e matar um menino de 9 anos. Sua advogada para execução criminal, Bruna Castro, confirmou que ela foi condenada em 2013 por homicídio e estupro de vulnerável.

Varella se pronunciou sobre o caso em nota. Ele disse que, em 30 anos tratando da saúde de detentos e detentas, não pergunta o que eles fizeram de errado para que “meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico”. Ele diz que não questionou as entrevistadas sobre seus crimes. “Sou médico, não juiz”, concluiu. Posteriormente, o médico gravou um vídeo pedindo desculpas para a família da vítima.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Nathália Afonso

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo