A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Receita de etanol combustível com água é tóxica e não deve ser usada 

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
23.mar.2020 | 16h45 |

Circula pelas redes sociais um texto dizendo que misturar álcool disponível em postos de gasolina com água gera uma substância que poderia ser uma “boa alternativa” para o álcool 70%. Vendido em supermercados, trata-se de um dos produtos capazes de matar o SARS-Cov-2, o novo coronavírus. Por isso, em sua versão líquida, é indicado para a higienização de ambientes e superfícies – mas não para a higienização da pele. Essa sugestão foi encaminhada por um leitor da Lupa pelo formulário LupaAqui, no qual é possível recomendar conteúdos para verificação. Confira o resultado:

“Sabe qual é uma boa alternativa para o álcool 70%? Comprar um litro de álcool do posto e misturar com água na proporção 70/30. Por exemplo, 700ml de álcool de álcool do posto (que é 100% álcool) e 300 ml de água. Aí você tem 1L de álcool 70”

Sugestão encaminhada por um leitor da Lupa pelo formulário LupaAqui

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A receita que aconselha misturar “álcool do posto de gasolina” com água não é recomendada por especialistas para substituir o álcool 70%, substância que pode ser usada na desinfecção de superfícies e ambientes. O álcool vendido no posto de gasolina tem produtos nocivos para a saúde humana, incluindo metanol e alguns hidrocarbonetos – ou seja, não se trata de etanol puro. O Conselho Federal de Química (CFQ) informou, em nota, que a mistura pode ser tóxica, causando irritação na pele e mucosas e pode, em algumas situações mais graves, levar à morte.

Segundo a entidade, o etanol combustível, que tem graduação alcoólica superior a 90%, contém outras substâncias porque foi pensado para gerar energia a partir da combustão do veículo. Por sua vez, o álcool 70%, como o nome indica, tem uma graduação alcoólica menor, de 70%, mas é feito somente de etanol e água. Por não ter componentes extremamente perigosos, é mais indicado para a higienização de superfícies e ambientes.

O pesquisador Francisco Paumgartten, da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também informou que o álcool usado como combustível tem uma concentração de 95,1% a 96% e não deve ser destinado a uso como desinfetante de superfícies. Segundo o especialista, o álcool 70%, em qualquer forma, pode fazer esse serviço. Entretanto, o álcool em gel é melhor “por ser sua forma mais segura para o uso doméstico, evitando derramamento e acidentes”.

O GT Covid UFF, um grupo de estudos organizado pela Universidade Federal Fluminense, também não aconselha a utilização do álcool do posto de gasolina. Uma solução mais segura, segundo o GT, é misturar um litro de álcool 46% com um litro de álcool 92%. 

É importante pontuar que, mesmo assim, o álcool 70% líquido não deve ser utilizado para a higienização da pele. Segundo o CFQ, o mais correto é usar a versão em gel, que contém espessantes e emolientes. “Os espessantes aumentam a viscosidade, diminuindo a volatilidade do álcool e, os emolientes hidratam a pele evitando o ressecamento naturalmente causado pelo álcool”, explica a nota do conselho.

Paumgartten pontua, ainda, que o álcool em gel é menos eficaz do que água e sabão na desinfecção da pele humana. Sua vantagem é apenas a praticidade no uso. 

Editado por: Maurício Moraes, Chico Marés e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo