A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que surto de H1N1 em 2009 foi mais intenso do que epidemia de Covid-19

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
27.mar.2020 | 18h20 |

Circula nas redes sociais uma comparação entre a epidemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, e a epidemia de H1N1 de 2009, também conhecida como gripe A ou gripe suína. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Bolsonaro:
COVID 19 – Corona Vírus
Casos no Brasil: 1.128 (21/3)
Mortes: 18
Nível de pânico: APOCALÍPTICO!!!

Lula Ladrão:
H1N1 – Gripe Suína
Casos no Brasil: 58.178
Mortes: 2.101
Nível de Pânico: É só um resfriado”
Imagem publicada no Facebook que, até as 18h do dia 27 de março de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 200 pessoas

FALSO

A comparação entre os casos de Covid-19 e de H1N1 é inadequada. Os dados indicados no post estão próximos dos números reais para as duas epidemias. No entanto, as mais de 58 mil ocorrências de contaminação pelo vírus H1N1 citadas ocorreram em mais de um ano e meio. Já o número de casos relacionados ao coronavírus é o total de menos de um mês. 

Além disso, na epidemia de 2009, por recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil só contabilizava casos considerados graves. Ou seja, o número total de infectados por H1N1, muito provavelmente, foi muito maior do que o citado – e a taxa de mortalidade, portanto, muito mais baixa.

O primeiro caso confirmado de Covid-19 no Brasil foi registrado no dia 26 de fevereiro de 2020. Já a primeira morte causada pela doença ocorreu 20 dias depois, em 17 de março. Em 21 de março, 24 dias depois do primeiro registro, o Brasil já tinha 1.128 infectados e 18 mortes. Nesta sexta-feira (27), o número de ocorrências havia triplicado, 3.417, enquanto o número de pessoas que morreram havia quintuplicado, chegando a92.

Em 2009, na pandemia de H1N1, o primeiro caso foi registrado em 7 de maio. 24 dias depois, em 31 de maio, eram 16 casos confirmados. A OMS declarou pandemia global em 11 de junho. A primeira morte no país só foi registrada em 28 de junho, e a vítima havia contraído a doença na Argentina. Em 10 de julho, uma menina de 11 anos morreu por causa da doença. De acordo com os dados, a epidemia de 2009, portanto, foi muito menos agressiva do que a atual.

O surto de H1N1 só foi considerado encerrado pela OMS em agosto de 2010, mais de um ano depois de seu início. De maio de 2009 a dezembro de 2010, foram 59.867 casos registrados e 2.173 mortes no Brasil. Os dados são do Ministério da Saúde.

Outra diferença importante é a forma de contabilização das ocorrências. Como dito acima, a OMS recomendou, ainda em julho de 2009, que apenas casos considerados graves entrassem na conta. Em 2010, essa restrição foi ampliada para apenas casos que levassem a hospitalização. Já para a Covid-19, até o momento, todos os casos reportados e confirmados estão sendo contabilizados, mesmo que eles não sejam graves.

Na prática, isso significa que o número de casos da H1N1 foi, de fato, muito maior do que o reportado, e a taxa de mortalidade foi consideravelmente mais baixa que a reportada. Estima-se que a taxa de mortalidade real da epidemia foi de cerca de 0,026%. Considerando apenas os casos registrados no Brasil entre 2009 e 2010, a taxa seria de 3,6%.

Essa informação também foi verificada pelos sites Aos Fatos, Fato ou Fake e Boatos.org.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo