A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Padre Fábio de Melo não escreveu texto contra julgar quem descumpre quarentena na pandemia

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
07.abr.2020 | 18h39 |

Circula pelas redes sociais um texto atribuído ao padre Fábio de Melo em que é discutida a atitude de cada pessoa durante a quarentena contra o novo coronavírus, causador da Covid-19. A mensagem diz que as pessoas vivem realidades diferentes e, por isso, não se pode julgar “tanto o que quer voltar [a] trabalhar quanto o que quer ficar em casa”. O texto tem sido compartilhado principalmente pelo WhatsApp. Essa sugestão foi encaminhada por um leitor da Lupa pelo formulário LupaAqui, no qual é possível recomendar conteúdos para verificação. Confira a checagem da Lupa:

“Cada um sabe de sua vida e de sua situação. Então, não julgue! Me irrita essa frase ‘estamos no mesmo barco’. Não, não estamos. Não seja ridículo. Estamos na mesma tempestade, mas não no mesmo barco. O seu barco pode afundar.. e o meu não, e vice versa. Pra alguns a quarentena tá sendo ótima! Momento de reconexão.. trabalho tá indo suave, etc…Para alguns tá sendo uma crise! (…)

Por isso neste momento é muito importante enxergar além do que se vê. Enxergar além de partido político, além de religião, além do próprio umbigo… não menospreze a dor do outro porque você não a sente, não julgue a vida boa do outro porque você não sabe o que ele passou pra chegar lá… simplesmente não julguem.

Julguemos menos. Tanto o que não tem, quanto o que tem de sobra. Tanto o que quer voltar trabalhar, quanto o que quer ficar em casa.

Afinal.. estamos em barcos diferentes irmão! Fale por você…

Pe Fabio de Melo”
Texto atribuído ao padre Fábio de Melo que circula pelo WhatsApp

FALSO

O texto analisado pela Lupa não foi escrito pelo padre Fábio de Melo. A Talentos Produções, responsável pelos shows do religioso, afirmou, em nota enviada por e-mail, que ele não redigiu a mensagem. Não foi possível localizar o responsável pelo artigo. Uma busca pelo Facebook mostrou que o texto já circulava em 4 de abril pela plataforma, mas terminava com as palavras “autor desconhecido”. Na segunda-feira (6), já apareciam posts indicando falsamente Melo como responsável pela peça.

Não é a primeira vez que um texto é atribuído falsamente ao padre Fábio de Melo. Em 15 de março de 2019, a Lupa checou uma mensagem que dizia que “as armas não matam, o que mata é a ausência de amor”. O conteúdo passou a circular logo após o massacre em uma escola estadual em Suzano (SP), que resultou em dez mortes. Na época, o próprio padre desmentiu a autoria em sua conta no Twitter.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo