A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Governo não suspendeu pagamento do auxílio emergencial por falta de dinheiro

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.abr.2020 | 10h57 |

Circula nas redes sociais que o governo federal suspendeu o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 por falta de dinheiro. A quantia é destinada aos trabalhadores informais, desempregados e autônomos durante a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“#URGENTE. QUEM RECEBEU RECEBEU QUEM NÃO RECEBEU NÃO RECEBE MAIS. Governo volta atrás e afirma NÃO TER DINHEIRO para continuar os pagamentos do AUXÍLIO EMERGENCIAL de R$ 600,00!”
Vídeo em post do Facebook que, até às 10h do dia 24 de abril de 2020, já tinha 1,4 mil compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O governo federal não suspendeu o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600. O que houve, na realidade, foi o cancelamento da antecipação do benefício. Na última segunda-feira (20), o governo havia anunciado que iria antecipar o pagamento da segunda parcela, prevista para 27 de abril. O dinheiro começaria a ser distribuído para a população na quinta-feira (23). Contudo, um dia antes, na quarta-feira (22), o Ministério da Cidadania comunicou que não iria mais adiantar esse pagamento.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que não aprovou a antecipação do pagamento da segunda parcela. “Nada foi cancelado. Um ministro anunciou, sem estar autorizado, que iria antecipar a segunda parcela. Primeiro se deve pagar a todos a primeira parcela, depois o dinheiro depende de crédito suplementar já que ultrapassou quase 10 milhões o número de requerentes. Tudo será pago no planejado pela Caixa”, disse o presidente.

Em nota, o Ministério da Cidadania explicou que a suspensão aconteceu “devido ao alto número de informais cadastrados e à determinação do governo em não deixar ninguém para trás”. A pasta informou ainda que foi necessário solicitar um crédito suplementar para completar o atendimento de todos os brasileiros aptos a receber o auxílio emergencial de acordo com a lei.

O órgão solicitou esse crédito adicional na última quinta-feira (23) e, segundo o Ministério da Economia, o pedido encontra-se em análise prioritária pela equipe técnica da Secretaria de Orçamento Federal. “Depois segue para apreciação de instâncias superiores desta pasta e posterior encaminhamento à Casa Civil da Presidência da República”, informou o órgão.

Até a quarta-feira, a Caixa Federal liberou mais de R$ 22 bilhões do auxílio emergencial para a população. Ao todo, já foram feitos mais de 45 milhões de cadastros no aplicativo Caixa Auxilio Emergencial e no site.

Essa informação também foi checada pelo Boatos.org.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo