A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução/Jornal Nacional
Foto: Reprodução/Jornal Nacional

#Verificamos: É falso que New York Times publicou texto dizendo que a ‘Globo é uma mídia prostituta que acaba com o Brasil’

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
20.maio.2020 | 17h30 |

Circula nas redes sociais que o jornal norte-americano The New York Times teria criticado a Rede Globo, dizendo se tratar de uma “mídia prostituta que acaba com o Brasil”. A afirmação teria sido publicada pela colunista Vanessa Barbara. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“New York Times detona Rede Globo: “Mídia prostituta que acaba com o Brasil”
Texto publicado no site O Abutre que, até as 17h do dia 20 de maio, tinha sido compartilhado por mais de 2,4 mil pessoas no Facebook

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Não existe nenhuma publicação disponível no jornal The New York Times que utilize tais termos para descrever a Rede Globo. O conteúdo, que já circula desde, pelo menos, 2017, se refere a uma coluna de opinião assinada pela jornalista brasileira Vanessa Barbara em novembro de 2015. Embora o texto seja crítico, ela não usa os termos, ou mesmo insinua, que a Globo é uma “mídia prostituta que acaba com o Brasil”.

No texto “Escapando da realidade com a emissora brasileira Globo”, Barbara descreve o que seria um dia de conteúdos veiculados pela emissora. “Assistir à Globo significa acostumar-se a banalidades e fórmulas cansativas”, afirma. A jornalista critica a emissora por, na sua opinião, dar mais atenção a pautas cotidianas do que questões políticas importantes. Ela também entende que os conteúdos das novelas são desconexos da realidade, que estereotipam os personagens femininos e são preconceituosos. Este é o único texto sobre a emissora publicado por Barbara em sua coluna.

Em busca no site do New York Times, encontramos apenas mais um artigo com opiniões explícitas sobre a Rede Globo. Escrito por James Brooke, em 1999, o texto de apenas dois parágrafos diz que o programa de notícias “Jornal Nacional” é constantemente utilizado para reforçar a postura política conservadora de Roberto Marinho. “Baixos níveis de alfabetização, altas taxas de posse de televisores e uma posição dominante de mercado da Globo se combinam para dar ao noticiário um poder enorme no Brasil”, entende Brooke. O texto também não fala em “mídia prostituta” ou “acabar com o Brasil”.

O conteúdo analisado pela Lupa circula na internet desde, pelo menos, 2017. Uma versão dessa época, publicada por um blog chamado A Tocha News, voltou a ser compartilhada, já em 2020, por páginas de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Essa versão foi compartilhada por quase 44 mil pessoas. Nesta semana, o texto foi republicado por websites como O Abutre.

Essa informação também foi verificada pelos site Aos Fatos.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo