A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que imprensa brasileira ‘se calou’ após Lula dizer que ‘ainda bem que natureza criou esse monstro do coronavírus’

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
20.maio.2020 | 18h00 |

Circula pelas redes sociais que “a mídia brasileira” calou-se sobre uma frase dita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em entrevista ao vivo para a revista Carta Capital na última terça-feira (19), ele fez a seguinte afirmação: “Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado coronavírus. Porque esse monstro está permitindo que os cegos enxerguem, que os cegos comecem a enxergar, que apenas o estado é capaz de dar solução a determinadas crises”. Segundo o post, isso não foi noticiado porque Lula é imune a críticas. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa​:

“Mídia calada! ‘Ainda bem que a natureza criou esse monstro chamado coronavírus’, disse o condenado, Lula. ‘Uma fala dessa deveria povoar TODAS as redações dos jornais do país, durante dias a fio. Mas fingem que não ouviram. Principalmente por causa de QUEM falou, que é imune a críticas, na mídia brasileira’. (Guillermo Federico Piacesi Ramos)”
Texto de imagem em post do Facebook que, até as 15h de 20 de maio de 2020, tinha 613 compartilhamentos

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Vários dos principais veículos de imprensa do país produziram reportagens sobre a frase dita por Lula em entrevista ao jornalista Mino Carta, diretor de redação da revista Carta Capital. Algumas das matérias saíram na própria terça-feira (19), dia em que a conversa foi exibida ao vivo. Outras foram ao ar na manhã desta quarta-feira (20). A transmissão do encontro começou pouco depois das 16h e durou 1h e 19 minutos. A fala de Lula sobre o novo coronavírus, causador da Covid-19, aparece logo no início, aos 7 minutos e 10 segundos.

Um dos primeiros veículos a noticiar o fato foi a Veja, na coluna Radar, às 17h29 do dia 19, com a nota  “Lula comemora impacto do coronavírus na política liberal de Guedes”. Depois, foi a vez do G1, que publicou a reportagem “‘Ainda bem’ que ‘monstro’ do coronavírus veio para demonstrar necessidade do Estado, diz Lula”, às 23h01. Poucos minutos depois, às 23h06, entrou no ar uma matéria do jornal O Globo, com o título “Lula avalia positivamente o impacto do coronavírus sobre agenda liberal: ‘Ainda bem que a natureza criou esse monstro'”. A história também foi veiculada cerca de uma hora depois pelo Jornal da Globo, na Rede Globo. 

Já na manhã desta quarta-feira (20), a frase de Lula foi tema de uma reportagem do jornal Extra, publicada às 6h32. Algumas horas depois, uma matéria destacou a entrevista do ex-presidente no telejornal Bom Dia Brasil, também na Globo. Às 9h40, o caso saiu na Folha de S.Paulo, com o título “Ainda bem que natureza criou esse monstro do coronavírus, diz Lula ao atacar Bolsonaro”. Às 11h16, a fala foi publicada pelo UOL, em “Ainda bem que a natureza criou o coronavírus”, diz Lula ao criticar estado mínimo”. No início da tarde, o Jornal Hoje exibiu outra reportagem sobre a frase na Globo.

A imagem que circula pelas redes sociais foi publicada originalmente pelas redes sociais da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF). No Facebook da parlamentar, a peça de desinformação foi ao ar às 10h02 – ou seja, depois de pelo menos sete reportagens sobre o caso saírem na internet, em jornais ou na TV. Procurada pela Lupa, ela não havia respondido até a publicação desta checagem. Já a frase sobre a ‘mídia calada’ vem um artigo do advogado Guillermo Federico Piacesi Ramos para o site Jornal da Cidade Online. O texto foi publicado às 8h18, depois que ao menos seis matérias haviam saído na imprensa. Em seu perfil no Twitter, ele agradeceu à deputada federal pelo uso do trecho com a crítica.

Por volta das 15h desta quarta-feira, o ex-presidente Lula divulgou um comunicado nas suas redes sociais, pedindo desculpas pela fala. “Usei uma frase totalmente infeliz. E a palavra desculpa foi feita pra gente usar com muita humildade. Se algum dos 200 milhões de brasileiros ficou ofendido, peço desculpas. Sei o sofrimento que causa a pandemia, a dor de ter os parentes enterrados sem poder acompanhar”, disse, em post no Twitter. Em vídeo que acompanha a publicação, disse que deveria ter usado a palavra “infelizmente” no lugar de “ainda bem”. ” A frase não cabia naquilo que eu queria falar”, afirmou. “Eu queria apenas mostrar que o Estado e somente o Estado é capaz de resolver problemas graves que o mercado nunca vai resolver.”

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo