A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Vídeo de apreensão de dinheiro não foi registrado na casa do secretário de Saúde do Pará

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
17.jun.2020 | 17h05 |

Circula nas redes sociais um vídeo de um policial civil retirando dinheiro de um forro de uma casa. A legenda da publicação diz que a operação da Polícia Civil estava sendo realizada na casa do secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Casa do secretário de saúde do Pará”
Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até as 16h30 do dia 17 de junho de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 36 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O vídeo foi registrado na cidade de Barcarena (PA), na manhã de terça-feira (16), durante mandados de busca e apreensão contra seis policiais militares, entre eles um oficial. Os policiais são acusados de desviar cocaína apreendida pela corporação em maio desse ano. A confirmação foi dada por telefone pelo promotor de Justiça Militar Armando Brasil, que instaurou o caso.

Segundo a Polícia Civil do Pará, durante a ação foram apreendidos aparelhos celulares que estavam de posse dos policiais militares e, em uma das residências, uma grande quantia de dinheiro. O promotor Armando Brasil disse à reportagem que o valor apreendido na casa de um dos acusados foi de quase R$ 250 mil. Testemunhas disseram à polícia que os militares estavam vendendo parte da cocaína apreendida, informou o promotor.

O registro do vídeo pode ser conferido em diversos veículos locais e blogues do Pará, como O Liberal, Roma News e Parazão Tem de Tudo. A assessoria da Polícia Civil do Pará, por telefone, disse que o vídeo não foi compartilhado oficialmente pelo órgão, e que não tem informações do autor.

O caso não tem relação com a operação Para Bellum, deflagrada pela Polícia Federal (PF) no dia 10 de junho. A instituição apura a existência de fraude na compra de respiradores pulmonares pelo governo do Pará, mediante contrato que se deu por dispensa de licitação. Segundo a PF, a compra dos respiradores custou ao Estado do Pará o valor de R$ 50,4 milhões. Desse total, metade do pagamento teria sido feito à empresa fornecedora dos equipamentos de forma antecipada. A polícia diz que houve atraso na entrega dos produtos e que eles eram de modelo diferente ao contratado, não adequados ao tratamento da Covid-19.

Entre os alvos das buscas estavam a casa do governador do Pará, Helder Barbalho, a residência do secretário de Saúde e Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde Alberto Beltrame, o Palácio dos Despachos, sede do Executivo estadual, e as Secretarias de Estado de Saúde, Fazenda e Casa Civil. Na ocasião, R$ 750 mil foram apreendidos em uma caixa térmica na casa do secretário adjunto de gestão administrativa de Saúde do Pará, Peter Cassol, que foi exonerado em seguida pelo governo.

À Folha de São Paulo, o secretário Alberto Beltrame se defendeu das acusações: “Seguirei na defesa intransigente da saúde, da vida do povo brasileiro e do Sistema Único de Saúde. O farei de cabeça erguida, sereno e capaz de olhar nos olhos de cada brasileiro e paraense e afirmar que estou com a consciência limpa, que tenho convicção de que nada de errado tenha praticado nesta ou em qualquer outra situação ao longo de toda a minha vida pública”.

Essa informação também foi checada pelo Aos Fatos.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo