A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Foto de amígdalas avermelhadas que circula nas redes não tem relação com Covid-19

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.jun.2020 | 20h01 |

Circula nas redes sociais uma imagem que compara fotos internas das amígdalas. Segundo a legenda da foto, a primeira foto, que mostra marcas vermelhas na amígdala e no céu da boca, é de um paciente com Covid-19. A foto é acompanhada de um texto, supostamente “escrito por um médico”, que descreve sintomas da doença. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“E assim você vai ficar com suas amígdalas, a primeira foto é uma amígdala doente e a 2 foto, esta curando”
Legenda de publicação no Facebook que, até o dia 18 de junho, foi compartilhada por 727 pessoas (ver foto aqui, imagens fortes)

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A imagem mostrada na primeira foto não é de um paciente de Covid-19. A foto original se refere, na verdade, a um diagnóstico de infecção causada por bactérias do gênero Streptococcus. A imagem está disponível nos arquivos da Biblioteca Pública de Imagens de Saúde, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, dos Estados Unidos. Além disso, amigdalite não costuma ser um sintoma da doença.

A imagem original, criada em 1958, está atribuída à Heinz F. Eichenwald e é traduzida como um quadro de sintomas de infecção bacteriana. “Paciente que se apresentou em um ambiente clínico exibindo vermelhidão e edema da orofaringe e petéquias ou pequenas manchas vermelhas no palato mole”, diz o texto original. Já a segunda foto usada na publicação falsa é descrita como uma garganta “se curando” e foi, na verdade, publicada no site Shutterstock por um usuário com o nome ElRoi.

A infecção nas amígdalas, tampouco, é um sintoma comum de Covid-19. De acordo com o doutor em Epidemiologia e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro Guilherme Werneck, desconfortos nessa parte do corpo não costumam ser associados ao novo coronavírus. “A amigdalite e a dor de garganta muito fortes não são um sintoma comum da Covid-19. Ainda não há tantas descrições sobre isso. Às vezes se trata apenas de uma infecção secundária”, explica.


 

“Quando você ficar doente de CORONAVIRUS você vai ter febre. Muita febre. A febre mais alta que já te deu na sua vida. ၢ vai parecer com as típicas febres da gripe.
Você vai respirar devagar, como se você tivesse colocado uma esponja no nariz.
Quando você tentar encher os pulmões ao inalar forte, você vai sentir que ainda falta o ar. E isso vai te assustar muito.
Você vai tossir muito. Tanto que você vai se cansar até quase desmaiar.”
Legenda de publicação no Facebook que, até o dia 18 de junho, foi compartilhada por 727 pessoas (ver foto aqui, imagens fortes)

EXAGERADO

Embora a ocorrência de febre seja um sintoma relativamente comum na Covid-19, ela não costuma ser particularmente alta. Segundo Werneck, febres de infecções bacterianas costumam ser mais fortes. “[A febre]  não é um sintoma que necessariamente estará presente, ou estará muito alta. Às vezes a pessoa tem uma sensação febril. A febre altíssima tem uma característica maior em infecções bacterianas”, afirma.

Os outros sintomas descritos, como falta de ar e tosse forte, também podem ocorrer, mas não são “típicos de Covid-19”, afirma Werneck. De acordo com o epidemiologista, é possível, também, que a doença seja acompanhada de uma infecção bacteriana, que pode desencadear os sintomas descritos. 

Por fim, vale destacar que nem todas as pessoas que sofrem com Covid-19 terão sintomas graves da doença. A Organização Mundial da Saúde estima que 80% dos doentes não precisam ser internados – e uma parte significativa nem sequer desenvolve sintomas da doença.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo