A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que OMS deixou de recomendar uso de máscara para pessoas saudáveis durante pandemia

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.jul.2020 | 16h13 |

Circula nas redes sociais que a Organização Mundial da Saúde (OMS)  diz ser desnecessário o uso de máscara em pessoas saudáveis. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“FOMOS ENGANADOS?! Organização Mundial da Saúde alerta sobre máscara ser desnecessária para pessoas saudáveis. Por que estamos sendo obrigados a usar?”
Imagem publicada no Facebook que, até as 14h do dia 06 de julho de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 550 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Em 5 de junho, a OMS publicou um guia sobre o uso de máscaras cirúrgicas e de tecidos. Nele, é dito que as máscaras devem ser usadas pelo público em geral, incluindo as pessoas saudáveis, como parte de uma estratégia abrangente de medidas para suprimir a transmissão do coronavírus. 

Em nota, a Organização Pan-Americana de Saúde, que representa a OMS no Brasil, disse que o documento de 5 de junho é o mais atual e que, portanto, não havia mudanças em relação às recomendações do uso de máscaras. 

O documento da OMS atualiza uma orientação publicada pela própria instituição em abril deste ano, no qual dizia que o uso de máscaras cirúrgicas era recomendável para pessoas que apresentavam sintomas e aquelas que estavam cuidando de um paciente com Covid-19, além dos profissionais de saúde. Na ocasião, a OMS chegou a dizer que não havia evidência de que o uso de uma máscara por pessoas saudáveis poderia prevenir a Covid-19. O documento foi atualizado em junho, segundo a OMS, para incorporar as descobertas mais recentes de pesquisas científicas. 

A OMS alerta ainda, no documento atual, que o uso somente de máscaras, sem outras ações, não é suficiente para fornecer um nível adequado de proteção contra a Covid-19. O uso de proteção deve estar combinado a outras medidas de distanciamento social e higiene.

No Brasil, o Ministério da Saúde recomenda o uso de máscaras caseiras em locais onde pode haver aglomeração. “Pesquisas têm apontado que a utilização de máscaras caseiras impede a disseminação de gotículas expelidas do nariz ou da boca do usuário no ambiente, garantindo uma barreira física que vem auxiliando na mudança de comportamento da população e diminuição de casos”, diz nota técnica publicada em 4 de abril.

Entretanto, na última sexta-feira (03), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou trechos de uma lei aprovada pelo Congresso que determinava a obrigatoriedade do uso de máscara em órgãos públicos e em estabelecimentos comerciais, templos religiosos, instituições de ensino e demais locais fechados em que haja reunião de pessoas. Ao justificar os vetos, o Planalto alegou, entre outras razões, que a obrigatoriedade “incorre em possível violação de domicílio”.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo