A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: É falso que Revista Veja publicou reportagem sobre a Covid-19 em 2003

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
08.jul.2020 | 15h21 |

Circula nas redes sociais um vídeo com uma versão da revista Veja publicada em 2003 sobre a epidemia de um coronavírus. Segundo a legenda, isso comprovaria que a Covid-19 existia no passado. “Eles inventaram outro nome para dizer que não tinha vacina e que não tinha cura?”, questiona a legenda. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Gente isso é “Grave”, é uma Revista da Veja de 2003?? Isso quer dizer que o Covid-19 já “Existia” desde 2003… E Eles inventaram outro nome, pra dizer que não tinha Vacina e que não tinha Cura??…Meu Deus”
Legenda de vídeo publicado no Facebook que, até as 15h do dia 08 de julho de 2020, tinha sido compartilhado por mais de 1 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A reportagem de capa da edição de 7 de maio de 2003 da revista Veja trata, na verdade, da epidemia de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS, na sigla em inglês), entre os anos 2002 e 2003. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) indicam que morreram 774 pessoas no mundo por causa da SARS, entre os 8.096 casos registrados. Embora o vírus causador dessa doença seja geneticamente relacionado com o novo coronavírus, tratam-se de microorganismos diferentes, que causam doenças diferentes.

A revista que aparece no vídeo é verdadeira e pode ser lida no acervo da Veja. As páginas da reportagem podem ser visualizadas, na sequência, aqui, aqui, aqui e aqui.

Coronavírus é uma família de vírus. Alguns deles causam infecções respiratórias em humanos, que podem variar de um resfriado comum a doenças mais graves. Segundo a OMS, sete coronavírus que afetam nossa espécie já foram identificados. Os vírus HCoV-229E, HCoV-OC43, HCoV-NL63 e HCoV-HKU1 causam gripes comuns. Em 2002, o SARS-CoV, causador da SARS, foi descoberto. Em 2012, o MERS-CoV foi identificado como responsável pela Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS) – doença que causou 866 mortes até janeiro deste ano. Por fim, o SARS-CoV-2, causador da Covid-19, surgiu no fim de 2019 e causou a pandemia atual.

A OMS diz que o nome SARS-CoV-2 foi escolhido porque o vírus da Covid-19 é geneticamente relacionado ao coronavírus que ocasionou o surto da SARS, em 2003. Entretanto, os dois vírus são diferentes. Para não provocar confusões com os nomes, a OMS preferiu usar a terminologia Covid-19 para se referir à doença. Covid significa Corona Virus Disease (Doença do Coronavírus), enquanto “19” se refere ao ano 2019, quando os primeiros casos em Wuhan, na China, foram identificados.

Além destes sete vírus que causam doenças em humanos, diversos coronavírus que causam doenças somente em animais são conhecidos pela ciência. A bronquite viral infecciosa aviária (IBV), que afeta alguns tipos de aves, é causada por um vírus dessa família, por exemplo. O Coronavírus Canino (CCoV), por sua vez, causa problemas intestinais severos em cachorros.

Essa mesma informação foi verificada pelo Fato ou Fake.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo