A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Freepik
Foto: Freepik

#Verificamos: É falso que vacinas contra Covid-19 podem criar seres humanos geneticamente modificados

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
22.jul.2020 | 19h47 |

Circula pelas redes sociais que vacinas contra a Covid-19 seriam capazes de transformar o código genético das pessoas, transformando-as em “organismos geneticamente modificados”. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“As vacinas [de RNA] para Covid-19 são projetadas para nos transformar em Organsimos Geneticamente Modificados.”
Trecho de vídeo publicado Facebook que, até o dia 22 de julho, tinha sido compartilhado por mais de 700 pessoas.

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Vacinas sobre plataformas de DNA ou RNA não alteram o código genético de células humanas. Na verdade, essa técnica consiste em inserir uma parte dos genes de um determinado patógeno em plasmídios, molécula de ácido nucléico presente em bactérias. Esses plasmídios, então, são injetados no corpo humano e entram nas células, onde passam a reproduzir partes do agente causador da doença. Isso produz uma resposta imunológica do organismo. Ou seja: o código genético que é modificado é o de uma molécula de uma bactéria, não o de um ser humano.

Esse tipo de tecnologia é recente. Até hoje, nenhuma vacina produzida sobre essa plataforma chegou a ser aprovada para uso em humanos. Das 168 vacinas sendo testadas até o momento contra a Covid-19, 37 usam essa técnica, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Entre as vacinas que já estão entrando na terceira fase de testes, apenas uma, desenvolvida pela farmacêutica Moderna, usa essa tecnologia. Essa vacina está sendo testada nos Estados Unidos.

O objetivo de uma vacina é estimular a produção de anticorpos contra um determinado patógeno. A tecnologia mais tradicional usa o próprio vírus ou bactéria, em versão inativada ou atenuada, para gerar essa resposta do organismo. No caso das vacinas de DNA ou RNA, ao invés de inserir o próprio agente da doença, uma molécula geneticamente modificada produz uma determinada parte do microorganismo, o que estimula a produção de defesas.

De acordo com a OMS, essa abordagem oferece algumas vantagens sobre os métodos mais tradicionais. Em primeiro lugar, elas eliminam a necessidade de inserir qualquer agente infeccioso, como um vírus enfraquecido, no corpo humano. Além disso, ela é mais fácil de produzir em larga escala. Contudo, a tecnologia é muito recente, e só veio a ser testada em humanos a partir da pandemia de Covid-19. Antes disso, imunizações desse tipo para outras doenças foram testadas em animais.

Dois laboratórios patrocinados pela Fundação Bill e Melissa Gates foram pioneiros na produção de vacinas desse tipo. O laboratório Moderna, primeiro a desenvolver vacinas com base em RNA, teve resultados promissores em sua primeira fase de testes com humanos, publicados em 17 de julho. Já a INO-4800, estudada pelo laboratório americano Inovio Pharmaceutica, ainda se encontra na primeira fase de testes, com 120 voluntários. A Sanofi também apostou no desenvolvimento de vacinas desse tipo, mas os testes em humanos ainda não foram iniciados. 

Peças de desinformação similares também circularam nos Estados Unidos, e foram checadas pela agência americana Reuters.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo