A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini
Foto: Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

#Verificamos: É falso que governador do RS usou hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina para tratar Covid-19

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
31.jul.2020 | 16h10 |

Circula pelas redes sociais que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), estaria utilizando hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina para tratar Covid-19. O governador testou positivo para o novo coronavírus na última sexta-feira (24). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Adivinhem com quais remédios ele [Eduardo Leite, governador do Rio Grande do Sul] será tratado??? Exatamente: com Hidroxicloroquina, Azitromicina e Ivermectina, os mesmos que ele rejeita para a população”
Texto em imagem publicada no Facebook que, até às 15h do dia 30 de junho de 2020, tinha sido compartilhado mais de 200 pessoas 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A assessoria de imprensa do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), informou que ele não está fazendo uso de hidroxicloroquina, azitromicina ou ivermectina para tratar sua infecção pelo novo coronavírus. “Até o momento, o governador tomou apenas remédios para aliviar sintomas leves, como dores de cabeça”, comunicou a assessoria.

Na última sexta-feira (24), o governador anunciou, em seu Twitter, que realizou um teste RT-PCR e foi diagnosticado com Covid-19. Disse ainda que era um paciente assintomático da doença e que tinha cancelado sua agenda. Contudo, na última segunda-feira (27), ele voltou a tuitar sobre o assunto e disse que tinha desenvolvido alguns sintomas leves da doença. Em seu Twitter, contou que estava com dor de cabeça e cansado e que estaria se tratando com a ajuda de “analgésicos comuns”.

Assim que testou positivo para Covid-19, Eduardo gravou um vídeo afirmando que iria seguir as recomendações médicas e iniciar o isolamento para evitar a disseminação do novo coronavírus. Nesta sexta-feira (31), a assessoria de imprensa informou que o governador segue isolado e trabalha de maneira remota. 

Uso de medicamentos no RS

O uso de hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina não foi proibido no Rio Grande do Sul, diferente do que o post analisado pela Lupa diz. A assessoria de imprensa do governador afirma que “o governo entende que a escolha dos medicamentos para tratamento à doença é de autoridade dos médicos”. 

Em abril, o Rio Grande do Sul distribuiu lotes de cloroquina para 29 hospitais, que ficaram responsáveis de dividir os medicamentos com outras instituições de saúde do estado. Ao todo, foram 25 mil comprimidos entregues. Em maio, o governador e o secretário de Saúde do estado afirmaram que o uso da cloroquina era uma recomendação que deveria ser feita pelos médicos. Além disso, eles destacaram que ainda não existe comprovação científica da eficácia deste remédio no tratamento da Covid-19.  

Uma reportagem da Zero Hora mostrou que houve a venda de hidroxicloroquina aumentou 62,67% comparando os três primeiros meses de 2020 com o mesmo período de 2019. O levantamento mostrou ainda que a compra de Ibuprofeno caiu nesse período, provavelmente influenciado por boatos que informava que o medicamento agravaria a Covid-19. 

Em relação a ivermectina e a azitromicina, uma reportagem da Zero Hora afirma que os prefeitos do Rio Grande do Sul vem adotando uma política de distribuição dos medicamentos para a população. Mesmo assim, vale lembrar que as drogas ainda não têm eficácia comprovada.

Há estudos clínicos randomizados e duplo-cegos que comprovaram que a hidroxicloroquina não é eficaz no tratamento da Covid-19 nem no início da doença, nem em casos mais graves. Outro estudo mostrou que a droga tampouco funciona como profilático. Já a ivermectina só foi testada in vitro, em doses centenas de vezes superior à recomendada para o tratamento de outras doenças.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo