A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Posts associam imagens falsas ao caos econômico para questionar isolamento

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.ago.2020 | 19h10 |

Empresas indo à falência, imagens de imigrantes com fome, suicídios de desempregados, saques em supermercados. Peças de desinformação em todo o mundo apelaram ao ‘caos’ econômico para espalhar boatos nas redes sociais contra o isolamento social. As restrições à circulação têm sido adotadas por muitos países para diminuir a transmissão do novo coronavírus, causador da Covid-19. 

Entre janeiro e julho deste ano, ao menos 140 peças sobre o tema foram desmentidas por plataformas de checagens de mais de 40 países, segundo levantamento feito nas bases de dados Coronavirus Facts Alliance e CoronaVerificado. Os países onde essas peças de desinformação desse tipo mais circularam são a Índia (46 conteúdos verificados), Estados Unidos (19), Espanha (10) e Brasil (9).

Os checadores verificaram pelo menos 23 notícias falsas envolvendo a falência de empresas. Um dos conteúdos desse tipo que circulou no Brasil mostrava fotos de lojas fechadas com uma faixa inserida digitalmente, que citava números de “pais de família” que se tornaram desempregados em Belo Horizonte (MG). A culpa seria das medidas de prevenção decretadas pelo prefeito Alexandre Kalil (PSD). Contudo, a foto usada era de São Paulo, tirada em 2015. 

Outro boato que circulou tratava da suposta falência da companhia de ônibus Itapemirim durante a crise. A empresa passa por um Plano de Recuperação Judicial iniciado em 2019 – antes, portanto, do início da pandemia.

Em outros países do mundo, a situação não foi diferente. Na França, circulou um boato de que a Adidas tinha ido à falência por causa da pandemia. A informação derivou de uma piada feita por torcedores do Lyon, insatisfeitos com a camisa da fornecedora de materiais esportivos para a próxima temporada. Entretanto, viralizou nas redes sociais como verdadeira.

Uma foto do ator Giancarlo Esposito, que interpreta o papel de Gustavo Fring na série Breaking Bad, foi usada na Colômbia para pedir ajuda a um empresário. “Meu tio Gustavo abriu um restaurante de frangos e por causa da Covid-19 está para perder todo o patrimônio”, dizia a mensagem. Apesar de ser uma brincadeira, muita gente compartilhou como se fosse real.

Na Argentina, foi a vez da empresa alimentícia La Campagnola ser peça de desinformação. O fechamento da instalação industrial em San Martín não ocorreu durante a pandemia, como vinha sendo compartilhado nas redes, mas bem antes, em maio de 2019. 

O fechamento temporário do comércio também foi fonte desinformação. No México, uma falsa mensagem que circulou pelo WhatsApp alertava que todos os estabelecimentos comerciais do estado de Veracruz, incluindo mercados, iriam fechar as portas por causa do isolamento social, induzindo moradores a comprar tudo que era necessário, gerando pânico na vizinhança. 

Caos econômico

Plataformas de checagem de todo o mundo verificaram 28 boatos sobre pessoas que, supostamente, teriam cometido suicídio por causa da crise econômica. Um exemplo é uma imagem que circulou na Índia e mostrava uma família de migrantes que, supostamente, teria tirado sua própria vida por não ter o que comer. O caso ocorreu em 2018, e não tinha, portanto, qualquer relação com a atual pandemia.

Vários exemplos desse tipo podem ser encontrados no Brasil. Em 2016, um empresário do interior de São Paulo cometeu suicídio após ver sua empresa falir e demitir 223 funcionários. Essa notícia real foi requentada em 2020, tentando ligar a falência à crise econômica causada pela pandemia

Outra notícia falsa que circulou no país contava a história de um homem desempregado que teria pulado de um viaduto na marginal Tietê, em São Paulo. O caso nunca aconteceu, e a  imagem utilizada foi tirada de uma reportagem do programa Cidade Alerta, da TV Record, de fevereiro de 2017. Na ocasião, um homem trocou tiros com a polícia e pulou do viaduto após ser cercado.

Informações falsas de saques também viralizaram nas redes sociais. Na Colômbia, circulou um vídeo de pessoas invadindo um banco para conseguir dinheiro, porque não tinham recebido o abono emergencial. O vídeo, na verdade, foi gravado em novembro do ano passado durante protestos que ocorreram no país e não tinha relação com a pandemia da Covid-19. 

Em Pernambuco, um vídeo de saques em um supermercado foi compartilhado durante o mês de março como reflexo do caos econômico na região. “Taí o que está acontecendo em Pernambuco. O povo tem fome”, dizia a legenda. O vídeo era antigo, e tinha sido gravado em meio à onda de protestos que atingiram Honduras em 2017. 

Isolamento social

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ainda não há nenhum medicamento, vitamina, alimento ou vacina eficaz que previna ou combata a Covid-19. Por isso, o isolamento social é uma das maneiras de controlar o aumento da pandemia no mundo. Um estudo realizado pela Universidade de Oxford em parceria com 15 instituições brasileiras mostrou que decretos para o fechamento de escolas e lojas fizeram cair pela metade a taxa de transmissão do SARS-CoV-2 nas capitais do Rio de Janeiro e São Paulo. 

Esta coluna foi escrita pela Agência Lupa a partir das bases de dados públicas mantidas pelos projetos CoronaVerificado e LatamChequea Coronavírus, que têm apoio do Google News Initiative, e pela CoronaVirusFacts Alliance, que reúne organizações de checagem em todo mundo. A produção das análises tem o apoio do Instituto Serrapilheira e da Unesco. Veja outras verificações e conheça os parceiros em coronaverificado.news

Editado por: Chico Marés e Maurício Moraes

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo