A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Porto Alegre não recomenda que famílias com infectados coloquem lixo em saco com fita vermelha

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.ago.2020 | 19h42 |

Circula pelas redes sociais que a prefeitura de Porto Alegre (RS), estaria fazendo uma coleta especial de lixo durante a pandemia da Covid-19. Famílias com pessoas infectadas deveriam separar o lixo do doente e colocar em um saco com uma fita vermelha, pulverizando com desinfetante. Conteúdos similares circularam em outros municípios, incluindo Santo Antônio da Platina (PR) e Campo Grande (MS). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Porto Alegre e Você. Aviso importante à comunidade. Os funcionários responsáveis pela coleta de lixo pedem que as famílias que tenham um familiar doente do Covid-19 separem o lixo do seu doente e o coloquem em um saco com fita vermelha e pulverizem com um desinfetante”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até às 18h do dia 10 de agosto de 2020, tinha sido compartilhado mais de 7 mil pessoas 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Em nota, a Prefeitura de Porto Alegre informou que os protocolos de descarte de lixo na cidade são diferentes dos informados no post que circula pelo Facebook. Segundo a assessoria do município, os resíduos de famílias com pacientes infectados precisam ser descartados em duplos sacos de lixo resistentes, sendo fechados com lacre ou nó. Não existe a recomendação de colocar uma fita vermelha ou desinfetar o saco. 

A norma é da Diretoria Geral de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde e atende a  determinações dos órgãos sanitários federais. O material deve ser descartado na coleta domiciliar (na porta a porta ou nos contêineres). A regra é válida para todos os resíduos domiciliares gerados nos locais com suspeita ou confirmação da Covid-19 (como sobras alimentares, papéis, guardanapos, papel higiênico e embalagens,e entre outros)”, disse a prefeitura.

A prefeitura afirma que as recomendações seguidas em Porto Alegre seguem a Nota Técnica 04/2020 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Publicado em maio, o documento traçou orientações de prevenção e controle para casos suspeitos ou confirmados do novo coronavírus.

Outras cidades 

Essa informação falsa também circulou em outros municípios. Um post viralizou nas redes sociais dizendo que essa prática tinha sido instituída Santo Antônio da Platina (PR). Contudo, a prefeitura negou a existência dessa ação. Em Campo Grande (MS), a administração municipal publicou nota em seu site também negando a existência dessa prática. Essa peça de desinformação chegou até mesmo a Portugal, onde foi desmentida pelo site Observador.

Contudo, há prefeituras que, de fato, adotaram essa prática. É o caso de Tupã (SP), Jales (SP), Canelinha (SC) e Triunfo (RS). Portanto, caso essa notícia seja divulgada em seu município, procure a administração local para saber se essa medida está sendo tomada.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo