A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Foto: Repordução/GloboNews
Foto: Repordução/GloboNews

#Verificamos: É falso que jornalista da GloboNews chamou nordestinos de ‘pobres e estúpidos’

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
17.ago.2020 | 18h25 |

Circula nas redes sociais que o jornalista da GloboNews, Octavio Guedes, teria chamado os nordestinos de “pobres e estúpidos”. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Esse é Octávio Guedes, Jornalista e Comentarista da Globo News que HUMILHOU e chamou os nordestinos de pobres e estúpidos ”
Texto publicado no Facebook que, até as 15h do dia 17 de agosto de 2020, tinha sido retuitada por mais de 1,3 mil pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Ao analisar a última pesquisa Datafolha, que indicou um aumento de popularidade de Jair Bolsonaro (sem partido), Octavio Guedes faz uma paráfrase de um bordão conhecido pelos norte-americanos: “é a economia, estúpido”. O jornalista troca a palavra “economia”, pela palavra “pobre”, para indicar que a população de baixa renda seria responsável pela nova popularidade de Jair Bolsonaro. E, em alusão ao jargão original, estaria chamando o interlocutor de “estúpido”, e não os “nordestinos”, como se os motivos que levaram ao resultado da pesquisa fossem óbvios.

A frase, em inglês “it’s the economy, stupid” (“é a economia, estúpido”), foi criada por James Carville, estrategista da campanha de Bill Clinton nas eleições presidenciais de 1992. Inicialmente, a frase seria um lembrete para a própria equipe, que deveria colocar ênfase na pauta econômica, um dos principais pontos fracos do adversário, o então presidente George Bush, durante a campanha. Contudo, ela acabou virando uma espécie de slogan para Clinton, que venceu as eleições na ocasião.

De lá para cá, essa frase virou uma referência rotineira nos Estados Unidos, às vezes mudando a palavra “economia” por outra coisa considerada primordial. Em 2008, por exemplo, a revista Time parafraseou a mesma frase, utilizando o termo “eleitores”. O bordão também é utilizado pela imprensa brasileira em análises políticas (aqui, aqui e aqui).

Em análise transmitida no dia 14 de agosto, Guedes utiliza a paráfrase para explicar a informação apresentada pela jornalista Julia Dualibi, que diz que três dos cinco pontos percentuais conquistados por Bolsonaro na categoria “Ótimo”, vieram de eleitores com renda de até três salários mínimos. Guedes responde: “se tivesse que fazer uma manchete sobre o seu comentário, faria ‘é o pobre, estúpido’. É isso que fez mudar o pêndulo”. Em nenhum momento, o jornalista atribuiu o adjetivo “estúpido” à população nordestina ou pobre. 

Em sua conta no Twitter, Guedes comentou o caso. “Roubaram a vírgula, sequestraram a referência e extorquiram o contexto. O pobre virou estúpido”, comentou, depois de explicar a origem dessa referência.

Esta afirmação também foi verificada por Boatos.org.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo