A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Pesquisa de 2005 não comprova eficácia da cloroquina contra o novo coronavírus

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.ago.2020 | 18h36 |

Circula nas redes sociais que uma pesquisa publicada na revista científica Virology Journal teria descoberto que a cloroquina seria capaz de “curar o coronavírus”. De acordo com a legenda, esta seria a revista oficial do Instituto Nacional de Saúde (NIH, do inglês), órgão governamental de pesquisa dos Estados Unidos. A publicação também diz que Anthony Fauci, coordenador da força-tarefa contra a Covid-19 do governo norte-americano, seria o “diretor desse instituto há 11 anos” e teria ciência dos poderes da cloroquina há mais de 15. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Bombástico!! Todos os virologistas já sabiam. Artigo que saiu no Jornal de Virologia de 2005!! (…) Cl0R0QUINA previne e cura há mais de 15 anos”
Texto publicado no Instagram que , até as 18h do dia 18 de agosto, tinha sido visualizado 2.790 vezes

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O estudo publicado em 2005 na revista científica Virology Journal analisou a eficácia da cloroquina no combate ao vírus SARS-CoV, um “parente” do novo coronavírus que causa a SARS (Síndrome Respiratória Aguda Severa, doença que surgiu em 2002), em células in vitro, ou seja, fora do corpo humano.  Isso não significa que o remédio seja comprovadamente eficaz contra SARS, e menos ainda contra a Covid-19.

Pesquisas in vitro são um estágio inicial na avaliação da eficácia de um medicamento. Para comprovar se um remédio é eficaz ou não contra uma determinada doença, também é necessário testá-lo com animais e, posteriormente, com seres humanos. No estudo em questão, os pesquisadores concluem que os resultados “sugerem” que o remédio pode ser eficaz como profilático ou tratamento. Contudo, não foram realizados testes em humanos para confirmar essa hipótese, até porque o vírus não é identificado desde 2003.

Estudos in vitro também foram realizados usando cloroquina e hidroxicloroquina contra o SARS-Cov-2, vírus que causa a Covid-19, e chegaram a conclusões similares. Contudo, nesse caso, pesquisas clínicas também foram realizadas, e mostraram que esse medicamento não é eficiente no tratamento dessa doença. 

Testes randomizados e duplo-cegos foram feitos com pacientes hospitalizados com sintomas graves, com sintomas leves e moderados, fora do ambiente hospitalar e como profilático para profissionais de saúde. Todos eles concluíram que a hidroxicloroquina não é um medicamento eficiente no tratamento de Covid-19. O projeto Recovery Trial, da Universidade de Oxford, interrompeu pesquisas clínicas com o remédio por não encontrar nenhum benefício em sua aplicação.


“Essa é a revista oficial do NIH(National Institutes of Health). Dr. Fauci (nomeado pelo Presidente Obama em 2009) é diretor desse instituto há 11 anos”
Texto publicado no Instagram que , até as 18h do dia 18 de agosto, tinha sido visualizado 2.790 vezes

FALSO

Também não é verdade que o estudo foi publicado por uma revista do Instituto Nacional de Saúde (NIH), nem que o infectologista Anthony Fauci seja diretor desse órgão. O Virology Journal é um periódico dedicada a publicação de estudos sobre viroses. Ela está associada à editora especializada em pesquisa na área da medicina BioMedCentral (BMC). Por sua vez, a BMC faz parte de uma das maiores editoras de divulgação científica do mundo, a Springer Nature. Tratam-se de organizações privadas.

Já o Instituto Nacional de Saúde (NIH) é um órgão governamental norte-americano cujo diretor é o físico e geneticista Francis Collins. Ele foi indicado pelo presidente Barack Obama, em 2009.

Por fim, Fauci, coordenador da força-tarefa do governo norte-americano contra a Covid-19, é diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (Niaid), uma organização de pesquisa vinculada ao NIH, desde 1984. Ele é considerado um dos principais especialistas em doenças infecciosas nos Estados Unidos.

Fauci ocupa a posição de diretor do Niaid desde 1984, quando foi indicado durante o governo do republicano Ronald Reagan. Em 2008, ele recebeu a “medalha presidencial da liberdade” de outro presidente republicano, George W. Bush, por seu trabalho relacionado ao combate ao vírus da Aids. Neste ano, Fauci teve atritos com o atual presidente Donald Trump por divergirem em relação ao uso da cloroquina.

Em nota, a assessoria de comunicação da Niaid informou que Fauci “afirmou anteriormente que não existem evidências de estudos randomizados duplo-cegos que indiquem que a hidroxicloroquina é uma terapia efetiva contra Covid-19”. O instituto ressaltou, ainda, que o artigo em questão se refere a um vírus diferente e foi feito a partir de culturas celulares, ou seja, a droga não foi testada em organismos vivos.

Esta afirmação também foi verificada pela AFP.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo