A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Foto de aglomeração em Ipanema foi tirada no último domingo

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
31.ago.2020 | 18h38 |

Circula nas redes sociais uma captura de tela de um tuíte do jornalista Guilherme Fiuza, que diz que fotos de pessoas aglomeradas na praia de Ipanema, que aparecem em uma publicação do jornal O Estado de São Paulo no domingo (30), são antigas. O print da imagem está sendo usado para acusar o veículo de cometer “fake news”. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“O Estado de S. Paulo publicou foto ANTIGA da praia de Ipanema lotada como se fosse de ontem. Os cariocas foram à praia mas o jornal foi buscar no arquivo uma aglomeração muito maior (esse mar de barracas grudadas NÃO EXISTIU) p/ilustrar sua fake news viral”
Legenda de imagem publicada no Facebook que, até as 16h do dia 31 de agosto de 2020, tinha sido compartilhada por mais de 640 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A foto que mostra aglomeração na praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, foi registrada no domingo (30), pelo fotógrafo Wilton Junior. Os dados exif da imagem que aparece no post confirmam que ela foi registrada às 14h39 do dia 30 de agosto, por uma Canon EOS-1D X. Essa foto ilustrou uma reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo.

O arquivo exif é um tipo de metadado presente em imagens registradas por câmeras digitais – incluindo as de celulares. Através dele, é possível saber a data de uma fotografia, o modelo da câmera, e especificações técnicas como o tempo de exposição e o tipo de lente utilizada. É possível consultar essas informações em sites especializados usando o arquivo original da foto. Esses metadados estão disponíveis na foto publicada pelo Estadão.

O tuíte analisado pela Lupa foi publicado originalmente pelo jornalista Guilherme Fiuza. Ele acusou o Estadão de publicar uma foto antiga. A mensagem foi apagada, mas o registro pode ser encontrado no Google. No próprio Twitter, o jornal respondeu à acusação de Fiuza, e publicou outras fotografias registradas por Wilton Júnior na mesma data. Em algumas delas, é possível ver pessoas usando máscaras, um indício de que elas seriam recentes. A Lupa também consultou o arquivo exif das outras fotos, e verificou que elas foram tiradas no dia 30 de agosto, entre as 14h33 e as 15h03.

Depois dessa troca de mensagens, Fiuza disse, também no Twitter, que todas as fontes que ele consultou afirmaram que não houve aglomeração de barracas em Ipanema. “Mas na série de Wilton Junior aparecem pessoas de máscara e posso ter sido induzido a erro. Se isso aconteceu, o leviano fui eu”, disse.

A imagem foi publicada em uma reportagem veiculada pelo Estadão no domingo (30). O texto fala que, mesmo com as regras de isolamento social para conter a pandemia, as ações foram insuficientes para evitar que as praias da orla da cidade ficassem cheias. O Rio de Janeiro está na fase 5 de flexibilização de atividades econômicas e, entre as medidas, o banho de mar está liberado, mas sem a permanência na areia.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo