A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

#Verificamos: É falso que Ricardo Salles foi internado após ‘envenenamento por mamona’

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
01.set.2020 | 20h31 |

Circula pelas redes sociais que o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles foi envenenado e passou a noite no Hospital das Forças Armadas, em Brasília, na última segunda-feira (31). Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA

EVIDÊNCIAS DE TENTATIVA DE ENVENENAMENTO

URGENTE ⚠

Nosso Valente Ministro Ricardo Salles, foi vítima do ‘Ecoterrorismo’, provavelmente envenenado ontem durante a Reunião com os governadores da Amazônia. As evidências são de mamona, um conhecido agente utilizado por ataques ecoterrorista.

O Ministro passou a noite no HFA- Hospital das forças Armadas, lutando por sua Vida. O procedimento foi de protocolo de guerra Biológica… Desintoxicação por hemodiálise.

O GSI em Alerta Máximo, fazendo varredura no Palácio do Planalto. É guerra minha gente é guerra, a CAMBADA só larga o OSSO na base das Baionetas.

#SomosTodosRicardoSalles
#TrustThePlan
#ConfieNoPlano”
Texto publicado no Facebook que, até as 16h do dia 01 de setembro de 2020, tinha sido compartilhado por 343 pessoas

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não foi internado recentemente, por “envenenamento por mamona” ou qualquer outra causa. A assessoria de imprensa do ministério informou que desconhece qualquer internação recente do ministro. Por e-mail, a assessoria de comunicação do Hospital das Forças Armadas (HFA), citado no texto, também negou ter conhecimento sobre internação recente de Salles.

Além disso, Salles, não se reuniu com governadores dos estados da Amazônia recentemente. Conforme a agenda oficial disponível no site do ministério, no dia 31 de agosto de 2020 ele esteve com diretores do ICMBio à tarde e realizou despachos internos pela manhã. Na semana anterior, a agenda de Salles incluiu reunião com o Presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco (por videoconferência), no dia 25; e com Reynaldo Velloso, Presidente da Comissão Nacional de Proteção e Defesa dos Animais, no dia 26. Nos demais dias participou de atividades remotas.

Em agosto de 2019, conteúdo similar viralizou na internet, incluindo a mamona como possível causa do envenenamento. À época, o ministro teve um mal-estar e foi internado no HFA, no dia 28 de agosto. Ele chegou a publicar em seu perfil no Twitter uma foto no hospital e agradeceu mensagens recebidas. No mesmo dia, circularam informações de que ele teria sido vítima de “ecoterrorismo” e envenenado. A peça de desinformação foi desmentida, na época, pelo site Boatos.org.

O conteúdo voltou a ser compartilhado nas redes sociais nesta semana, depois que a hashtag #SomosTodosRicardoSalles passou a ser utilizada novamente por perfis de apoiadores do ministro e do presidente Jair Bolsonaro. No domingo (30), o próprio ministro agradeceu o apoio em seu perfil no Twitter.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo