Tem certeza que deseja sair da sua conta?

#Verificamos: É falso que Maju disse que Witzel foi afastado porque Bolsonaro passou a persegui-lo

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
03.set.2020 | 19h50 |

Circula pelas redes sociais que a jornalista Maju Coutinho teria dito que o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, foi afastado do cargo porque Bolsonaro e seus filhos passaram a persegui-lo. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“Maju disse que Witzel caiu porque Bolsonaro e filhos passaram a persegui-lo #MajuMentirosa não tem limite sua canalhice”
Texto compartilhado no Facebook que, até às 19h do dia 3 de setembro de 2020, tinha sido compartilhado por 900 pessoas 

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. A jornalista Maju Coutinho não disse que o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), foi afastado do cargo após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus filhos – Flávio, Carlos e Eduardo – passarem a persegui-lo. A Lupa analisou as redes sociais da jornalista (aqui e aqui) e não encontrou nenhuma declaração nesse sentido. No Jornal Hoje, ela mencionou a palavra “perseguição”, mas estava citando o posicionamento do governador, o que foi claramente identificado na fala. 

No dia 28 de agosto, o ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu afastar Witzel do cargo por 180 dias, a pedido da Procuradoria Geral da República (PGR). Naquele dia, Maju apresentou o Jornal Hoje, que noticiou a decisão. Durante a apresentação, ela citou que o governador enxerga a ação do tribunal como “perseguição política”. Contudo, ela não disse que essa era a sua opinião.

“O governador Wilson Witzel disse que está indignado com o afastamento do cargo e que sofre perseguição política”, disse a jornalista. Além disso, o jornal mostrou que os procuradores envolvidos no caso responderam às declarações de Witzel, negando o suposto viés da decisão. Em nenhum momento Maju disse que acredita que na tese do governador. 

A Lupa analisou ainda as apresentações do Jornal Hoje nos dias seguintes (29 de agosto, 31 de agosto, 1º de setembro, 2 de setembro e 3 de setembro) e não conseguiu localizar essa suposta fala da jornalista. A assessoria de imprensa da Globo afirmou, em nota, que “o post é fake e a apresentadora Maju Coutinho jamais disse tal frase no Jornal Hoje”.

Witzel é investigado por supostas irregularidades na contratação de hospitais de campanha e na compra de respiradores e medicamento durante a pandemia de Covid-19. Atualmente, ele está tentando recorrer a decisão do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Na última quarta-feira (2), uma Corte Especial do STJ decidiu – por 14 votos a 1 – manter o afastamento.

A defesa do governador ainda não acionou o Supremo Tribunal Federal (STF), mas o PSC, partido de Witzel, entrou com uma ação para que o STF  avalie se é constitucional o afastamento de um governador por uma decisão monocrática – decidida por apenas um ministro.

Ataques virtuais

A jornalista Maju Coutinho vem sofrendo uma onda de ataques virtuais após afirmar, em uma apresentação do Jornal Hoje do dia 24 de agosto, que o presidente e autoridade do governo não se solidarizam com as vítimas da Covid-19 em um evento. “Nem Bolsonaro nem as autoridades do governo presentes prestaram solidariedade às vítimas e aos familiares”, disse a apresentadora. 

No Twitter, Bolsonaro disse que a Globo estaria mentindo e publicou um vídeo que mostra políticos do Palácio do Planalto – inclusive o presidente – fazendo um minuto de silêncio requisitado pela médica Raissa Soares. No dia seguinte, a apresentadora fez um esclarecimento sobre o caso e disse que o minuto de silêncio de fato ocorreu, mas lembrou que a médica não faz parte do governo.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo