A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

#Verificamos: Hidroxicloroquina comprada pelo governo da Bahia não é destinada a pacientes com Covid-19

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
08.set.2020 | 16h05 |

Circula pelas redes sociais que o governador da Bahia, Rui Costa, abriu licitação para a compra de hidroxicloroquina. De acordo com a publicação, o governo federal fornece esse medicamento de forma gratuita. Por meio do ​projeto de verificação de notícias​, usuários do Facebook solicitaram que esse material fosse analisado. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“ABSURDO!!!
Rui Costa abre licitação para compra de hidroxicloroquina enquanto o governo federal disponibiliza gratuitamente para todos os Estados”
Postagem publicada no Facebook que, até às 18h do dia 03 de setembro de 2020, tinha sido compartilhado por 639 pessoas

EXAGERADO

A informação analisada pela Lupa foi retirada de contexto. O governo da Bahia, de fato, realizou uma licitação recente para a compra de hidroxicloroquina. Contudo, ela será destinada para o tratamento de lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide e outras doenças para as quais o remédio é indicado. Em nota, o Ministério da Saúde informou que está distribuindo o remédio gratuitamente, mas apenas para o tratamento da Covid-19 e de acordo com demanda das localidades que solicitarem

Em 20 de agosto, o governo da Bahia abriu uma licitação para compra de hidroxicloroquina. O aviso foi publicado no Diário Oficial do Estado. Antes disso, em março de 2020, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) publicou nota dizendo que iria garantir o fornecimento do remédio para todos os pacientes com diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico, lúpus cutâneo, artrite reumatoide, dermatomiosite e polimiosite. Para esses tratamentos, o remédio não é fornecido gratuitamente pelo governo federal.

Em coletiva de imprensa on-line realizada no dia 03 de setembro de 2020, o secretário executivo do Ministério da Saúde, Coronel Antonio Elcio Franco, explicou que municípios que queiram hidroxicloroquina para tratar a Covid-19 precisam preencher um protocolo e atestar a finalidade do uso.

Segundo a Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename), a hidroxicloroquina é classificada como um medicamento do Grupo 2, indicado para o tratamento das doenças citadas acima. A responsabilidade para a aquisição e distribuição dos remédios dessa categoria cabe às secretarias de saúde estaduais.

Vale pontuar que não existe comprovação científica do uso da hidroxicloroquina no tratamento de Covid-19. Estudos clínicos randomizados e duplo-cegos foram realizados para o uso do medicamento como profilático, em casos leves, moderados e em casos graves da doença. Nenhum deles apontou benefício no uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus. No dia 22 de julho a Sesab emitiu nota em que não a recomenda como tratamento ou prevenção em qualquer contexto que não seja de um estudo de ensaio clínico.

Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Chico Marés

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo