A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Ao contrário do que dizem Salles e Mourão, a Amazônia está, sim, pegando fogo em 2020

Repórter (especial para a Lupa) | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
10.set.2020 | 19h25 |

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, publicou em seu perfil no Twitter um vídeo que nega as queimadas na Amazônia. A peça mostra cenas de floresta, populações indígenas e animais, entre os quais um mico-leão-dourado. A peça está sendo compartilhada como se o primata fosse uma espécie amazônica. O vídeo foi publicado também pelo vice-presidente, Hamilton Mourão. Confira a seguir o trabalho de verificação da Lupa:

“A Amazônia não está queimando”
Publicação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, no Twitter que, até as 15h40 do dia 10 de setembro de 2020, tinha sido retuitado 8,4 mil vezes

FALSO

A informação analisada pela Lupa é falsa. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), foram detectados 12.412 focos de incêndio na região entre os dias 1º e 9 de setembro deste ano, contra 6.199 focos no mesmo intervalo do ano passado. Em agosto, foram verificados 29.307 focos, pouco menos que os 30.900 verificados em 2019 – que, por sua vez, foi o mês de agosto com mais queimadas no bioma desde 2010. Desde o início do ano, o satélite de referência do Inpe identificou 82.641 queimadas na Amazônia, frente a 75.527 em igual período de 2019.

Na quarta-feira (9), um vídeo dizendo que a Amazônia não estava queimando foi publicado no Twitter pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles,  que escreveu: “Recebi este vídeo, “Amazônia não está queimando””. O vídeo também foi compartilhado pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, que disse “De que lado você está? De quem preserva de verdade ou de quem manipula seus sentimentos? O Brasil é o país que mais preserva suas florestas nativas no mundo. Essa é a verdade. Nós cuidamos! #ConselhoNacionalDaAmazoniaLegal #QueimadaNÃO”.

O vídeo mostra imagens não identificadas, sem data de gravação ou localização, com a legenda “IMAGENS INTERNET” no canto esquerdo superior. A peça, de pouco mais de um minuto e meio, é narrada em inglês por uma criança, que afirma: “A Amazônia não está queimando novamente”. Em um dos momentos mais curiosos, a edição mostra imagens de um mico-leão-dourado, espécie endêmica da Mata Atlântica, como se fosse um animal da fauna amazônica. O primata é encontrado exclusivamente no bioma que abrange o litoral brasileiro, especialmente no estado do Rio de Janeiro, a cerca de 2 mil quilômetros da Amazônia.

A gravação é assinada pela Associação de Criadores de Gado do Pará (Acripará). O presidente da associação, Maurício Fraga Filho, explicou por WhatsApp que o vídeo foi produzido por duas associadas com a intenção de contestar as informações de um audiovisual produzido pela Defund Bolsonaro, movimento internacional que se propõe a alertar sobre o desmatamento na Amazônia. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil compartilhou um vídeo no dia 2 de setembro que reverberou entre famosos, incluindo o ator Leonardo DiCaprio. De acordo com Fraga Filho, as associadas entenderam que a versão da Defund Bolsonaro prejudicava a imagem do produtor rural.

“A associação é legalista. Temos conhecimento de focos de queimada, de desmatamento. Os números são públicos e não contestamos. Defendemos a regularização fundiária e ambiental. Foi apenas um vídeo que fizemos para colocar em nossas redes sociais e contrapor esse outro vídeo”, disse Fraga Filho por meio de um áudio no WhatsApp.

Nota:‌ ‌esta‌ ‌reportagem‌ ‌faz‌ ‌parte‌ ‌do‌ ‌‌projeto‌ ‌de‌ ‌verificação‌ ‌de‌ ‌notícias‌‌ ‌no‌ ‌Facebook.‌ ‌Dúvidas‌ sobre‌ ‌o‌ ‌projeto?‌ ‌Entre‌ ‌em‌ ‌contato‌ ‌direto‌ ‌com‌ ‌o‌ ‌‌Facebook‌.

Editado por: Chico Marés e Marcela Duarte

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo